Caixinha sem surpresas

O futebol até pode ser uma caixinha de surpresas. Já o papo em torno dele... Prepare-se para o que vai se cansar de ouvir durante o campeonato que está começando:

HUMBERTO WERNECK, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2012 | 03h09

Abrem-se as cortinas!

As equipes adentram o gramado

Clássico é clássico, e vice-versa

Joga por dois resultados iguais

Vai buscar o resultado

É o franco favorito

Futebol é uma caixinha de surpresas

Futebol é bola na rede

Futebol não tem lógica

Não se ganha o jogo na véspera

O jogo só acaba quando termina

O grupo está focado/motivado

Quer carimbar a faixa do rival

Quer botar água no chope do campeão

Busca imprimir velocidade ao ataque

Um jogo morno

Joga um futebol burocrático

É falta para cartão!

A violência empana o brilho do espetáculo

Sua Senhoria fez vista grossa

Aceitou a provocação do adversário

Vai mais cedo para o chuveiro!

Explora bem os contra-ataques

Sente o desgaste da temporada

É um ex-jogador em atividade

Desperdiçou todas as oportunidades

Não estava no seu dia

Só jogou o feijão com arroz

Pecou nas finalizações

Sempre falha nas decisões

Teve uma atuação apagada

Sentiu uma fisgada na coxa

Não foram além de um pálido empate

Empate com sabor de vitória/derrota

Arrancou um pontinho na casa do adversário

Confirmou o seu favoritismo

O importante são os três pontos

Perdeu uma clara chance de gol

Um gol que até a minha avó faria

Impedimento clamoroso

O bandeirinha ergue seu instrumento de trabalho

O jogo é lá e cá

Tem maior volume de jogo

Lance/passe primoroso

Caiu na área, é pênalti...

A arbitragem prejudica o espetáculo

Afasta/conjura o perigo!

Está numa tarde infeliz

O time não se encontra em campo

O problema é que o time não tem banco

Agora é partir para o tudo ou nada

Tentar reverter o placar

Partir para o sacrifício

Soltou um canhonaço

Carimbou o poste/o travessão!

Acertou na moldura

Na rede, pelo lado de fora!

Chutou nas nuvens

Meteu pra fora!

Lançamento em profundidade

Leva perigo à área adversária

Surgiu de surpresa por detrás da zaga

A bola desviou no morrinho artilheiro

Colocou a bola no ninho da coruja

Um leve toque para o fundo da rede!

Corre para o abraço!

Uma pintura de gol!

Gol no apagar das luzes

Deixou tudo igual

Pois é, quem não faz, leva

O juiz ergue os braços!

Teve numa tarde/noite inspirada

Jogou por si e pelos companheiros

Deu números finais à partida

O adversário valorizou nossa vitória

A torcida empurrou o time

A torcida foi o 12.º jogador

Futebol tem dessas coisas

Sentiu o peso da camisa

Não jogou seu melhor futebol

Não foi nem a sombra do que é

Este não é o futebol campeão do mundo

Foi uma tarde/noite para esquecer

Agora é levantar a cabeça e trabalhar para reverter essa situação

O importante agora é pensar no campeonato nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.