Cafeterias de SP apostam em plantação própria

Por facilidade financeira ou nostalgia, muitas são administradas por famílias de fazendeiros; cardápios oferecem opções 'vintage'

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2010 | 00h00

Blend renovado. Pela primeira vez, Teixeira incluiu no menu da Treviolo os grãos da Eldorado    

 

As razões são econômicas, claro - vender o cafezinho na xícara tem mais valor agregado do que os grãos em sacas. Mas a justificativa ganha sempre um gole de saudosismo. Fato é que, nos últimos anos, a cidade de São Paulo tem ganho uma leva de cafeterias cujo forte é a bebida obtida com grãos plantados em fazenda própria.

Ou seja: famílias produtoras de café viraram marca e abriram suas lojas na capital paulista. "Nossa fazenda (Santa Izabel, em Ouro Fino, MG), que está na família há sete gerações, responde por 60% do café da marca", comenta o empresário Marco Suplicy, proprietário das cafeterias que levam seu sobrenome. "E mais: desde que abrimos o Suplicy Café, a totalidade da produção da fazenda é absorvida por nós mesmos."

Tendência. Aos poucos, a Treviolo segue o mesmo caminho. Inaugurada em 1992 - sucedeu a marca Tiradentes, da década de 1920 -, pela primeira vez este ano o proprietário Edson Teixeira incluiu no blend grãos produzidos em sua Fazenda Eldorado, localizada em Adamantina, no interior paulista.

"A fazenda já vem sendo utilizada, há alguns anos, como local para experimentação de novas variedades", ressalta. "Agora intensificamos o volume, para podermos utilizar a produção comercialmente." Anteriormente, entretanto, a torrefação já era feita pela família. "E sempre temos um pessoal próprio que acompanha, do cultivo à colheita, os cafezais cujos grãos adquirimos", esclarece.

Da família do ex-governador Orestes Quércia, o Octavio Café, aberto em dezembro de 2007, encorpa a tendência. Todo cafezinho vendido pela marca vem de 1,2 mil hectares de cafezal do próprio grupo - na Fazenda Nossa Senhora Aparecida, em Pedregulho, no interior paulista.

"Produzir café já era uma tradição da família", lembra o diretor comercial da empresa, Mario Chierighini. Nos últimos oito anos, eles intensificaram os investimentos na área, preparando o terreno para a criação da marca Octavio.

Nostalgia. O gole de saudosismo desce fundo no Café Raiz, aberto em setembro no bairro de Perdizes. Não, o produto lá vendido não vem de fazenda própria. "Embora nossa história esteja ligada ao ramo, uma vez que meu avô tinha fazenda de café, minha mãe nasceu em fazenda de café...", exemplifica o empresário José Olympio Motta, proprietário do estabelecimento.

No menu está a sacada de Motta. Há a opção pelo café de coador - que custa R$ 3,90, em vez dos R$ 2,50 do expresso. É coador de pano, trazido à mesa para que o cliente viva a experiência de passar o cafezinho. Vintage? "Remete à infância", explica a outra proprietária, Beatriz Cintra. "A terceira idade se sente em casa. E quem é criança pode conhecer." Um tanto sinestésica, a experiência parece realmente realçar o sabor do cafezinho.

Onde encontrar

CAFÉ RAIZ. RUA CARDOSO DE ALMEIDA, 920, PERDIZES. FONE: (11) 3868-4747

OCTAVIO CAFÉ. AVENIDA BRIGADEIRO FARIA LIMA, 2.996, JARDIM PAULISTANO. FONE: (11) 3074-0110

SUPLICY CAFÉS ESPECIAIS. ALAMEDA LORENA, 1.430, JARDIM PAULISTA. FONE: (11) 3061-0195. E EM OUTROS QUATRO ENDEREÇOS

TREVIOLO CAFÉ. RUA GENERAL FLORES, 114, BOM RETIRO. FONE: (11) 3223-1777. TAMBÉM ATENDE EM OUTROS NOVE ENDEREÇOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.