Cadela é encontrada após ser furtada com carro de pet shop em Campinas

Animal foi encontrado com mulher na periferia; ela foi presa, mas pagou fiança de mais de R$ 5 mil

Rose Mary de Souza, O Estado de S. Paulo

05 Outubro 2011 | 17h52

CAMPINAS - Depois de um mês desaparecida, a cachorrinha Melissa está de volta para a casa, na Vila Teixeira, em Campinas. O caso com final feliz foi desvendado pela Delegacia de Proteção Animal de Campinas e tem um enredo de filme policial com muita ação: furto, perseguição, um suspeito morto em tiroteio, denuncia anônima, investigação policial e a companheira do morto foi detida.

A aventura da lhasa apso de pelagem branca, 3 anos de vida, de nome Melissa, nas mãos de supostos criminosos e malfeitores, começou em 3 de setembro quando foi sequestrada. Ela estava dentro do carro do pet shop, uma Montana, e seria entregue à sua dona após uma sessão de banhos, unhas cortadas e pelos aparados. Mas, assim que o motorista estacionou e saiu do veículo, um homem assumiu o volante e saiu em disparada.

Uma viatura da Policia Militar foi acionada. Diante do estresse em relatar o furto do carro, com a Melissa lá dentro, as informações repassadas as forças de segurança da cidade chegaram ao comando geral como se Melissa fosse uma criança raptada.

Quase que imediatamente o helicóptero Águia da PM iniciou a busca pela região e ajudou a localizar o automóvel abandonado. A cadela não estava no carro.

A partir de uma denúncia anônima, na última terça-feira, dia de São Francisco de Assis, o protetor dos animais, os policiais encontraram Melissa com uma mulher, no Jardim Campos Elíseos, periferia da cidade. V.R.L, 25 anos foi presa acusada de receptação cuja pena varia de 1 a 4 anos de detenção, mas vai responder em liberdade após pagar fiança de R$ 5.450 mil.

A acusada foi companheira de A.E.S.,30 anos, acusado de furto, dentre eles o do carro do pet shop no começo de setembro. Ele foi morto em confronto com a policia em uma outra ocorrência em 22 de setembro.

Mais conteúdo sobre:
cadela pet shop

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.