Cadeirante agredido por delegado denuncia ameaça

A Corregedoria da Polícia Civil de São José dos Campos instaurou ontem inquérito para apurar ameaça de morte contra o advogado e cadeirante Anatole Magalhães Macedo Morandini. Segundo ele, a ameaça de morte ocorreu em 28 de janeiro e teria sido feita de um telefone da Delegacia Seccional da Polícia Civil da cidade. Ele disse que fez a constatação ao ligar para o mesmo número logo em seguida. No momento da ligação, 14 policiais estavam na delegacia. Todos devem ser ouvidos.

João Carlos de Faria, O Estado de S.Paulo

11 Fevereiro 2011 | 00h00

A 4.ª Vara Criminal de São José dos Campos apura a agressão contra Morandini ocorrida em 17 de janeiro. O delegado Damásio Marino bateu no cadeirante após discussão por causa da ocupação irregular, pelo policial, de uma vaga de estacionamento para deficientes no centro da cidade. Marino, que era titular do 6.º Distrito Policial da cidade, foi afastado do cargo em 20 de janeiro, com redução de 30% no salário. Ele deve responder pelos crimes de injúria, ameaça e lesão corporal dolosa, agravados por abuso de autoridade e violação de dever.

O celular de Morandini foi recolhido para perícia e o inquérito tem 30 dias para ser concluído. O advogado não foi achado para falar do caso. A Delegacia Seccional disse, por nota, que não pode manifestar-se porque a investigação é da corregedoria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.