Cachorro mata dona no interior de SP

Aposentada de 75 anos foi atacada pelo cão da raça rottweiler, quando tentava trancar o animal no canil

Chico Siqueira, especial para O Estado de S. Paulo

04 Novembro 2013 | 12h21

Atualizado às 13h45

GUARARAPES (SP) - Um cachorro da raça Rottweiler matou sua dona, na madrugada desta segunda-feira, em Guararapes, a 560 km de São Paulo. A aposentada Rosa Ubeda Alves, de 75 anos, foi atacada pelo cão por volta das 2h30, em sua casa, no centro da cidade. Uma das filhas de Rosa, Marly, que estava dormindo e acordou com os latidos do animal, ainda tentou resgatar a mãe, chegou a matar o animal, mas não conseguiu salvar a aposentada. Rosa não resistiu aos ferimentos das mordidas e morreu no quintal de casa local.

O ataque do animal ocorreu depois que Rosa se despediu do marido e da filha mais velha, Maria Luíza, que havia saído com o pai para levá-lo a um hospital de São José do Rio Preto, onde ele faz tratamento de saúde. Ao entrar, Rosa tentou soltar novamente o animal, que tinha sido preso pelo marido no canil, mas acabou sendo atacada por ele.

 

Não se sabe por quanto tempo Rosa ficou à mercê do cão. Ela foi mordida por quase todo o corpo. Sua filha Marly ainda desferiu golpes com uma faca no animal, na tentativa de tirá-lo de cima da mãe. Mas o animal só largou a aposentada depois que morreu devido às facadas desferidas pela filha da vítima. Marly também recebeu diversas mordidas nos braços e entrou em estado de choque ao perceber que a mãe não estava mais viva.

 

O incidente chocou a cidade, de 30 mil habitantes. O animal, segundo familiares, tem cerca de 10 anos de idade e foi criado pela família desde filhote. O cão, que foi treinado por um adestrador, obedecia a todos os moradores. Até então, era um animal dócil, que vivia com outro cão, da raça poodle, e nunca tinha causado nenhum incidente.

 

Segundo a Polícia Militar, a suspeita é de que a aposentada teria tentado soltar o animal do canil com a luz apagado e no escuro o ele não a teria reconhecido. Familiares suspeitam que o cão possa ter se confundido com o comportamento de Rosa, que estava chorando muito - por causa do estado de saúde do marido -, quando voltou para dentro de casa e foi ao canil soltar o cachorro.

Mais conteúdo sobre:
rottweiler

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.