Reprodução
Reprodução

Cachorro invade trilho e provoca transtorno no Metrô de SP

Animal impactou operação das Linhas 1-Azul e 3-Vermelha, cujos trens circularam com velocidade reduzida e maior tempo de parada

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2017 | 10h45

SÃO PAULO - Sobre os trilhos da Companhia do Metropolitano de São Paulo, quem corria nesta manhã de quarta-feira, 8, era um cachorro. Visto na altura da Estação Tiradentes, o animal invadiu o espaço dos trens e obrigou as composições da Linha 1-Azul e 3-Vermelha a circularem com velocidade reduzida e maior tempo de parada por mais de uma hora, enquanto funcionários tentavam retirar o bicho em segurança. As plataformas ficaram abarrotadas e chegou-se a instalar bloqueios de acesso em algumas estações. No fim, o cachorro fugiu e foi perdido de vista.

O Metrô afirma que o animal invadiu os trilhos às 7h30, mas a operação teria sido normalizada às 8h40. Nesse período, o animal percorreu várias estações. "É o novo Bolt, correu da Parada Inglesa até a Vergueiro!", comentou a usuária Priscilla Padilha, no Facebook.

"Chamem o cãozinho de Ronaldinho Gaúcho, porque ele 'dibrou' a segurança todinha do Metrô", brincou Laíza Taura, na rede social.

Após a perseguição pelos trilhos, o cachorro simplesmente desapareceu. "Evadiu-se do sistema", diz o Metrô, no Twitter.

Inicialmente, foram afetados os trens da Linha 1-Azul, onde o animal estava. Também foi preciso intervir na operação da Linha 3-Vermelha por causa da integração na Estação Sé, na região central. Segundo o Metrô, a estratégia foi adotada para conter a entrada de passageiros na Linha 1 e evitar que as plataformas ficassem superlotadas.

"Se eu contar pra minha chefe, ela não vai acreditar nessa conversa. Me ajuda aí, Metrô!", escreveu a usuária Lane Keila, sobre como justificaria o atraso no trabalho.

Mas nem todo mundo achou o episódio engraçado. "O cachorrinho fica passeando na via, e eu perco duas horas do meu salário suado", afirmou Priscila Ribeiro.

Usuários também relataram paradas de até 40 minutos e reclamaram da falta de avisos. "É um absurdo!!!! 21 minutos esperando passar um metrô na Sé. Só vieram informar o problema depois de mais de 10 minutos quando as estações já estavam lotadas!", escreveu Marina Furquim.

"Pior ainda que desligam o metrô e deixam a gente cozinhando lá dentro, sem ar", disse Aila Meilin.

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO Metrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.