JB Neto/AE
JB Neto/AE

Bueiro explode e causa blecaute em Santa Cecília

Tampas foram arremessadas contra carro, rua teve de ser bloqueada e idosa caiu após estrondo; vizinhos dizem ter visto fogo e coluna de fumaça

Bruno Ribeiro e Carlos Lordelo, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2012 | 03h04

A explosão de um bueiro no começo da noite de ontem na Rua Doutor Frederico Steidel, em Santa Cecília, na região central da cidade, deixou parte do bairro sem energia, causou um forte estrondo e, segundo testemunhas, fez o fogo atingir três metros de altura. As quatro tampas de concreto voaram contra um Gol prata estacionado, que teve uma das portas e o capô amassados.

A rua liga as Avenidas São João e Duque de Caxias e teve de ser bloqueada porque, com a retirada das tampas do bueiro, a calçada ficou com um buraco de cerca de três metros de diâmetro. Na esquina, há um posto de combustível, que não foi afetado. Equipes da AES Eletropaulo foram ao local, mas até as 22 horas de ontem ainda não haviam sido divulgadas as causas da explosão.

O Corpo de Bombeiros informou que ninguém ficou ferido, mas o presidente da ONG Educa SP, Devanir Amâncio, que passava próximo ao local, disse que o estrondo fez uma idosa cair quando entrava na Estação Santa Cecília do Metrô, distante cerca de 300 metros do bueiro.

 

Testemunhas contaram que o fogo foi seguido instantaneamente por uma grossa coluna de fumaça. "Ouvi o estouro e fui até a varanda do apartamento. Deu para ver o fogo pelo reflexo do vidro do prédio vizinho. Peguei minhas coisas e desci correndo com meu marido. Lá embaixo, já havia várias pessoas do meu prédio tentando descobrir o que havia acontecido", disse a animadora cultural Vanessa Olivera dos Santos, de 33 anos.

Explicações. A AES Eletropaulo, que inicialmente negou que a queda de energia tivesse ligação com a explosão, disse depois que ainda estava apurando o acidente. A empresa afirmou que o apagão se concentrou nas imediações da explosão e o fornecimento de luz foi reestabelecido em dez minutos. Até as 22 horas de ontem, dois carros da companhia permaneciam no local. Já Vanessa afirma que a energia caiu às 20h45 e só voltou às 21h15, antes de os técnicos da Eletropaulo chegarem.

Segundo os bombeiros, sua equipe não precisou atuar, já que, ao chegar, não havia mais fogo. A cratera, porém, permanecia aberta e parte da rua, isolada para o trânsito. A reportagem tentou falar com a Defesa Civil, mas ninguém atendeu os telefonemas do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.