Bruno: Eliza levou R$ 30 mil e deixou filho

Terminou às 20h49 de ontem o depoimento do goleiro Bruno Fernandes, acusado, com outras oito pessoas, do assassinato de sua ex-amante Eliza Samudio, de 25 anos. O jogador foi ouvido pela juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, do Tribunal do Júri de Contagem (MG), por nove horas e 55 minutos. Ele negou as acusações e afirmou que a jovem foi até sua casa no Rio e ao sítio em Esmeraldas (MG) por vontade própria e que em nenhum momento ela e o filho, que seria fruto do relacionamento do casal, foram ameaçados.

Marcelo Portela BELO HORIZONTE, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2010 | 00h00

Bruno disse que, em 10 de junho, Eliza deixou seu sítio rumo a São Paulo, após receber R$ 30 mil dele. Afirmou que ela deixou o bebê para que ele cuidasse. Para a polícia e o Ministério Público, Eliza foi morta a mando de Bruno por causa da disputa judicial movida por ela para que o goleiro reconhecesse a paternidade do bebê. "É 99,9% de chance que o Bruninho é meu filho", admitiu ontem.

Afirmou que Eliza e um de seus primos, de 17 anos, se agrediram no Rio. A briga explicaria as manchas de sangue no Land Rover dele. Disse que viu Eliza pela última vez quando ela saía do sítio e despediu-se dele e do bebê. Segundo Bruno, o primo - que morava com ele, o amigo Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, e a noiva do goleiro, Ingrid Oliveira, no Rio - causava problemas por ser usuário de cocaína. "Só um psicopata inventaria o que ele inventava." E afirmou que a relação com Ingrid causava ciúme em Macarrão.

O goleiro disse que foi ameaçado pelo delegado Edson Moreira, chefe do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa e responsável pela coordenação das investigações. Moreira teria pedido R$ 2 milhões para livrar o goleiro das acusações. A polícia afirmou que não comentaria as declarações.

Para o Ministério Público, a maior parte do depoimento de Bruno foi uma estratégia para tentar desqualificar os depoimentos que o incriminam.

O depoimento de Macarrão terminou ontem à noite, poucos minutos após começar, por estratégia da defesa. A juíza Marixa bateu boca com um dos advogados dele, que conversava durante o interrogatório. No meio da discussão, o advogado disse a Macarrão que não respondesse a nenhuma pergunta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.