Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Bruno Covas põe chefe da Cohab na secretaria de Saúde

Wilson Pollara, no cargo desde janeiro de 2017, vai ajudar na campanha de Doria; PP quer cargo de órgão de habitação

ADRIANA FERRAZ, FABIANA CAMBRICOLI e PEDRO VENCESLAU, O Estado de S.Paulo

10 Julho 2018 | 22h20

SÃO PAULO - A Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo terá um novo titular. O prefeito Bruno Covas (PSDB) trocou o médico Wilson Pollara por Edson Aparecido, que ocupava, até esta terça-feira, 10, a presidência da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab-SP). Aparecido já foi secretário da Casa Civil no governo Geraldo Alckmin em duas ocasiões (2012-2014 e 2015-2016). Graduado em História, foi eleito duas vezes para a Assembleia e outras duas para deputado federal, mas não tem experiência na área da saúde.

+ Promotoria acusa Covas e Doria por improbidade no carnaval de SP

Pollara era titular da pasta desde o início da gestão de João Doria (PSDB), em janeiro de 2017. Ele afirmou ao Estado que sai para coordenar o programa de saúde da campanha de Doria ao governo paulista. “Como fiquei muitos anos como adjunto da Secretaria Estadual da Saúde, tenho bastante conhecimento da situação do Estado e precisava me dedicar integralmente a essa função.”

Com o Corujão da Saúde, Pollara reduziu a fila por consultas e exames municipais, mas sofreu desgaste com a proposta de fechar AMAs (unidades de assistência ambulatorial) – ação suspensa por orientação do Ministério Público Estadual.

+ Promotoria pede bloqueio de bens e perda de cargo de Edson Aparecido

Em junho, o PP anunciou apoio à coligação de Doria. Segundo o Estado apurou, o partido havia pleiteado espaço na Prefeitura – justamente a presidência da Cohab, cujo orçamento para este ano é de R$ 158 milhões. Mas, por enquanto, o cargo fica com Alexsandro Peixe Campos, chefe de gabinete de Aparecido. Na semana passada, Covas já havia trocado o secretário de Esportes e Lazer. Em substituição a Jorge Damião, foi nomeado João Farias, ex-vereador petista agora filiado ao PRB. A troca ocorreu após o partido anunciar apoio oficial a Doria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.