Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Bruno Covas não perderá poder, diz Doria sobre nova função de vice

Vice-prefeito foi tirado do comando da zeladoria, setor alvo de críticas, e colocado em secretaria com foco na articulação política

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2017 | 18h41

RIO - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta terça-feira, 31, que a troca de posto do vice-prefeito e até então secretário das Prefeituras Regionais, Bruno Covas (PSDB), não significa uma perda de poder. O novo cargo de Covas, na Secretaria de Governo, focará na articulação política e será divulgado oficialmente na quarta-feira, 1º, às 10 horas, segundo informou Doria.

+++ Doria tira Bruno Covas do comando da zeladoria

Como antecipou o Estado, a relação de Doria e Covas estaria arranhada por causa do mau desempenho da Secretaria das Prefeituras Regionais, que é responsável pela zeladoria da cidade. Na semana passada, Doria demitiu o secretário-adjunto da pasta, Fabio Lepique, ligado a Covas. Nesta terça, no entanto, o prefeito elogiou bastante o vice.

 

+++ Viagem oficial de vice-prefeito de São Paulo a Paris dura 12 dias

"O Bruno Covas está prestigiadíssimo", disse a jornalistas, depois de falar a empresários na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). "Além de competente, sério e dedicado, é meu amigo e tenho grande estima por ele. Não vai ter diminuição de poder nem de força. Ele foi eleito com os mesmos votos que eu fui eleito." 

+++ Apoio a posts de Doria nas mídias sociais despenca

Doria afirmou que a troca de função foi feita porque os resultados da zeladoria não estavam a contento.

"Transformações e mudanças são necessárias, principalmente na gestão de uma cidade do tamanho de São Paulo. Tem que fazer ajustes e melhoras, e tem que ouvir o recado das ruas também. Temos que melhorar a gestão e eficiência da zeladoria urbana. Não dá para virar as costas para a população e dizer que está tudo muito bem quando não está tudo bem. Para isso, eu e Bruno estamos juntos."

Mais cedo, a uma plateia de empresários convidados, Doria comentou sua queda de popularidade nas redes sociais.

"As viagens prejudicaram um pouco, mas são necessárias", admitiu, referindo-se a críticas sobre suas idas a Estados brasileiros e a países como Emirados Árabes, Argentina e França. "Vou diminuir um pouco e dar foco maior à cidade de São Paulo, principalmente à periferia."

Segundo levantamento do Estado feito com a ferramenta CrowdTangle, de análise de redes sociais, o engajamento dos internautas com os posts de Doria nas mídias sociais desabou, em todas as plataformas, a partir de abril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.