DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Brown levou mata-leão de policial, afirma Suplicy no Facebook

Secretário de Direitos Humanos e Cidadania pede, em post, mais 'respeito e civilidade principalmente aos negros'; vocalista dos Racionais MCs assinou termo de desobediência civil e foi liberado

O Estado de S. Paulo

07 Abril 2015 | 16h30

O secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Eduardo Suplicy, escreveu na manhã desta terça-feira, 7, no Facebook, que o vocalista da banda Racionais MCs, Mano Brown, levou um mata-leão de um policial e foi derrubado no chão. "Maior respeito e civilidade especialmente aos negros se faz necessário. O fato de o exame de saúde da carteira de habilitação estar vencido não justificava aquele procedimento", disse o ex-senador.

Segundo Suplicy, Brown foi à farmácia comprar um remédio para a mãe e, no caminho, a polícia lhe parou. "Abriu os vidros, desceu do carro. Mandaram ele elevar os braços por trás da cabeça. Brown pediu para não tocarem nele", descreve o secretário, que afirma que Brown foi ofendido quando estava no chão, caído, por diversos policiais. "Algemaram-no e o levaram ao 37º DP, no Campo Limpo. Vicente Cândido e eu fomos lá até que fosse liberado, às 20h30."


O vocalista do Racionais MCs foi detido na tarde desta segunda-feira, 6, em um bloqueio policial no Campo Limpo, zona sul. A PM diz que o músico tentou escapar da blitz e foi enquadrado por desobediência, desacato e resistência à prisão. Brown afirma que a abordagem da polícia foi violenta.

Segundo a polícia, a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de Brown estava com o exame médico vencido desde julho de 2012. Já o veículo, em nome da mãe do cantor, está com o licenciamento atrasado desde 2013. 

Pouco antes das 21 horas, Brown deixou o DP, sem falar com a imprensa. Ele foi liberado após assinar um termo circunstanciado de desobediência civil. Segundo depoimentos ouvidos pelo delegado Fabio Brandão, Brown freou bruscamente ao ver a blitz, o que levantou suspeitas dos policiais.

“O PM diz que pediu para fazer a revista pessoal e que ele se recusou”, afirmou Brandão. O policial também disse que o músico o xingou. Brown nega. 

Brown já havia sido detido em julho de 2004. Na ocasião, policiais encontraram um cigarro de maconha no carro em que ele e um amigo estavam.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Mano Brown Eduardo Suplicy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.