Brinquedo do Hopi Hari mata garota em férias no Brasil

Filha de dekasseguis tinha 14 anos e caiu do elevador La Tour Eiffel; pais acompanharam menina até hospital, onde já chegou morta

FELIPE TAU , TATIANA FÁVARO , VINHEDO, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2012 | 03h01

A adolescente Gabriella Yukari Nichimura, de 14 anos, de cidadania brasileira e japonesa, morreu ontem após cair de um brinquedo no parque de diversões Hopi Hari, no km 72,5 da Rodovia dos Bandeirantes, em Vinhedo, interior de São Paulo. O acidente aconteceu por volta das 10h20, quando a garota estava na atração La Tour Eiffel, conhecida popularmente como "elevador".

Gabriella foi atendida no local por socorristas da Intermédica Saúde, que mantém um posto de pronto-atendimento dentro do parque, e levada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) móvel para o Hospital Paulo Sacramento, em Jundiaí. No trajeto, os socorristas tentaram reanimar a garota - que ficou o tempo todo sob a guarda dos pais -, mas ela já chegou ao hospital morta.

De acordo com o chefe do Pronto Atendimento do centro médico, Rolney Dezani Raposo, "a garota teve politraumatismo e não foi possível o socorro".

Os pais permaneceram no hospital até o meio da tarde. Seus nomes não foram divulgados. Muito abalados, eles evitaram falar com a imprensa. Segundo um funcionário do centro médico, que também não quis ser identificado, "nem dava coragem de chegar até eles, tamanha a aflição daquele momento".

Viagem. De acordo com as poucas informações fornecidas pelo hospital, a jovem de 14 anos saiu da casa de parentes em Guarulhos, na Grande São Paulo, para se divertir no parque com os pais e uma prima.

A família, formada pelo pai descendente de japoneses, a mãe, Gabriella e uma irmã mais nova, mora no Japão e está passando férias no Brasil. Os pais são dekasseguis - brasileiros que foram trabalhar no Japão - e as duas meninas já nasceram no país e têm dupla cidadania.

O corpo de Gabriella chegou ao Paulo Sacramento às 11h e foi transferido para o Instituto Médico-Legal (IML) de Jundiaí por volta de 19h. A necropsia apontou "trauma e fraturas inúmeras em face e crânio, além de afundamento". A família informou que o corpo será cremado no Cemitério Primavera, em Guarulhos - o velório será em uma igreja local.

Assistência. Por meio de nota oficial, o Hopi Hari lamentou o ocorrido e informou que presta toda assistência à família da vítima e apoio aos órgãos responsáveis pela investigação das causas do acidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.