Briga pela proteção de camelôs teria causado morte de sindicalista

Uma disputa pela proteção oferecida a camelôs clandestinos no Brás, região central, pode ter motivado o assassinato anteontem do presidente do Sindicato dos Camelôs Independentes, Afonso José da Silva, de 40 anos. Por R$ 120 mensais, ele oferecia segurança aos associados da entidade que trabalhavam na rua sem licença. Também vendia pontos clandestinos na Feira da Madrugada por R$ 10 mil.

Diego Zanchetta e Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2010 | 00h00

Cerca de 600 ambulantes são filiados ao sindicato criado por Afonso em 1996. Na segunda-feira, ele recebeu uma ameaça de morte, segundo depoimento prestado pelo seu segurança particular, Carlos Derlan Costa da Silva, de 23 anos. Cerca de 3 mil pessoas passaram pela sede da entidade, entre as 5h e as 13h de ontem, para o velório de Afonso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.