Hélvio Romero/AE–29/10/2006
Hélvio Romero/AE–29/10/2006

Briga de punks e skinheads, marcada via Twitter, deixa 1 morto em Pinheiros

Cerca de 200 pessoas participaram de tumulto na frente de casa noturna da Rua Cardeal Arcoverde; outro jovem segue em estado grave

Aline Nunes, Camila da Silva Bezerra e Fabiano Nunes, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2011 | 00h00

Uma briga marcada pelo Twitter entre punks e skinheads deixou um morto e um ferido na noite de anteontem, em Pinheiros, na zona oeste da capital paulista. Johni Raoni Falcão Galanciak, de 25 anos, morreu após ser esfaqueado e agredido, por volta das 22h15. Já Fábio dos Santos Medeiros, de 21 anos, teve traumatismo craniano e segue internado, respirando só por aparelhos.  

 

Veja também:

link'Era de briga', diz pai de jovem morto

especialEssas tribos agridem para se autoafirmar    

 

 

 No Twitter, o confronto entre as tribos era premeditado. No sábado, uma jovem de 23 anos postou no microblog: "Eu vou no estilo e vou com uma pá de nego, e vai dar treta, e enfim, viva o Cock Sparrer (uma banda punk "oi"" britânica que atrai público skinhead e punk e fazia o primeiro show no Brasil)!". Horas antes do show, outra postava no microblog: "Indo pro Cock Sparrer e rezando para que as histórias que eu ouvi sejam só lendas porque quero me divertir. "

Por volta das 19h45, a história deixou a rede social e virou realidade, na frente da casa de shows. "Tinha muita gente na porta, esperando para entrar, e aí teve o "conflito de ideologias"", disse uma testemunha.

O funcionário de um dos estacionamentos vizinhos, que presenciou o confronto, relata que a briga começou quando cerca de 70 punks e skinheads comunistas desceram de um ônibus e subiram a pé o trecho final da Cardeal Arcoverde - onde encontraram os skinheads rivais, os neonazistas. "Houve corre-corre. Algumas pessoas tinham pedaços de pau, facas e garrafas quebradas que serviam de armas mesmo. Havia ainda muitos rojões", afirmou o funcionário. "Pelo montante de gente que subiu (a rua), parecia que estavam se posicionando para uma guerra."

Testemunhas também disseram que os skinheads usaram tochas e lançaram coquetel molotov na multidão.

Johni Galanciak tomou uma paulada na cabeça, golpe que o fez cair no chão. Segundo testemunhas, foi neste momento que ocorreu o esfaqueamento pelos skinheads, mas ninguém soube dizer quantos agressores eram.

O estudante ainda foi socorrido por uma ambulância que sempre fica parada no estacionamento na frente do clube, mas morreu horas depois, no Hospital das Clínicas.

Ao chegar ao local, a Polícia Militar estimou que 200 pessoas participavam do tumulto. A chegada dos soldados também provocou correria. Mesmo assim, oito pessoas foram detidas, incluindo um menor de idade. Todos negaram participação no caso e foram liberados. A PM apreendeu no local um estilingue e bolinhas de gude. "Nunca vi uma coisa assim. Quando ouvi (sobre o caso), até achei que era mentira", disse um morador que não presenciou a briga.

CRONOLOGIA

Abril de 2011

Uma pessoa é esfaqueada em briga de punks e skinheads, na Praça Júlio Prestes (SP).

Fevereiro de 2011

Três skinheads são presos por agredir 4 punks na Praça Antônio Menck, em Osasco.

Setembro de 2006

Um jovem de 20 anos foi esfaqueado em briga de punks e skinheads, perto da Galeria do Rock, no centro de SP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.