Briga com Ultraje esquenta festival

Produtor estrangeiro e irmão de Roger trocam socos; Courtney Love deu barraco

O Estado de S.Paulo

14 Novembro 2011 | 03h01

Cenas de pugilismo explícito e hostilidades mútuas entre artista e plateia e plateia e artista marcaram o segundo dia do SWU, contrastando com o clima tranquilo e a circulação mais livre de pessoas do primeiro dia, que teve público estimado em 61 mil pessoas. Equipes técnicas dos brasileiros do Ultraje a Rigor e da banda do britânico Peter Gabriel se pegaram pouco antes de o show dos brasileiros começar. Já a cantora Courtney Love, da banda Hole, bateu boca com seu público.

Tudo ficou mais calmo quando o Duran Duran entrou no palco. Parecia um show do pianista Liberace: paletós reluzentes, camisas de pele sintética de oncinha, cabelos com muita escova. Com esse arsenal e um bocado de autoironia (além da boa performance de Simon LeBon), o grupo recolocou o velho eletropop na ordem do dia.

Para além da nostalgia, mostrou o potencial de diversão e pista de seus antigos e novos hits, como All You Need is Now, com teclados (Nick Rhodes) e baixo (Nigel Taylor) característicos dos velhos sucessos de rádio dos anos 1980.

O Duran Duran entrou logo depois do último lamento de Chris Cornell, que fez show longuíssimo e arrastado.

Acompanhado de sua New Blood Orchestra, Peter Gabriel trouxe versões cinematográficas de suas músicas ao SWU. Os arranjos, muitos do novo disco, New Blood, são dramáticos, como a trilha de um final feliz hollywoodiano. Coloriram o show com apelo previsível, que só piorou quando Gabriel fez um discurso sobre a importância de fazer do mundo um lugar melhor.

O show começou com Where the Streets Have no Name, do U2, e seguiu, por mais de uma entediante hora, por Signal to Noise e Solsbury Hill. Na metade da apresentação, fãs clamaram pelo rock sulista de Lynyrd Skynyrd, cantando o nome da banda por cima dos acordes da orquestra de Gabriel. Nada mais sonolento poderia ter sido escalado para encabeçar uma noite que deveria ser o ápice do festival. / COLABOROU FELIPE BRANCO CRUZ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.