Brasileiro teria sido gravado em furto de loja em Sydney

Rapaz identificado como Roberto Laudisio Curti estava transtornado e pulou balcão; estudante morreu pouco depois

O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2012 | 03h05

Imagens de uma câmera de vigilância mostram que um homem que seria o estudante brasileiro Roberto Laudisio Curti, de 21 anos, pulou por cima de um balcão em uma loja de conveniência e roubou um produto na madrugada do dia 18 de março, em Sydney, na Austrália. Laudisio foi morto pouco depois no mesmo bairro, por disparos de arma de eletrochoque efetuados por policiais que investigavam um furto na região.

Reproduções da gravação, divulgadas pelo serviço em português da rede de televisão australiana SBS, mostram um rapaz que seria Laudisio sem camisa e transtornado enquanto falava com o atendente da loja. Depois, ele pulou o balcão para entrar na área restrita a funcionários. Segundo a SBS, a imagens mostram o rapaz com uma embalagem de comida do lado de fora. O funcionário da loja então fez uma ligação, supostamente para a polícia.

A polícia de Nova Gales do Sul havia informado que, antes de morrer, Laudisio havia furtado um pacote de bolachas na loja de conveniência em uma rua próxima, a King Street. Quando os policiais tentaram abordar o rapaz, ele teria fugido e, por isso, eles dispararam. Segundo a polícia australiana, além do furto do pacote de bolachas, há também a suspeita de que o rapaz estaria sob efeito de drogas, o que é contestado por amigos.

A apuração do caso segue de forma sigilosa e, segundo as leis australianas, não tem prazo para acabar.

Família. O estudante estava na Austrália desde agosto do ano passado e morava com uma das duas irmãs enquanto estudava inglês.

Em março, a família de Laudisio pediu que amigos e conhecidos evitassem comentar o caso durante as investigações. "Entendemos que as autoridades competentes estão realizando uma investigação sobre o que aconteceu e aguardamos as conclusões", afirmou, em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.