Brasileiro morreu enquanto esquiava nos Estados Unidos, confirma família

Iago Martins foi aos EUA para aperfeiçoar o inglês e participar de intercâmbio remunerado

Chico Siqueira, O Estado de S. Paulo

15 Fevereiro 2014 | 15h16

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - Familiares do estudante Iago Bezerra dos Santos Martins, de 18 anos, encontrado morto na sexta-feira numa estação de esqui da região de São Francisco, Estados Unidos, confirmaram neste sábado que o rapaz morreu em consequência de um acidente quando esquiava nas montanhas da estação do resort Sugar Bowl, em Norden, na Califórnia.

O estudante estava nos EUA havia três meses para aperfeiçoar a língua inglesa e participar de um intercâmbio remunerado e aprender a esquiar na estação de esqui. "Ele tinha aproveitado a folga de quarta-feira para esquiar e acabou sofrendo o acidente", disse a tia Cláudia Araújo Martins. Segundo ela, a família ainda aguarda o laudo das autoridades americanas para ter maiores informações sobre as circunstâncias do acidente. A informação da seguradora do rapaz aos familiares é de que ele estaria esquiando sozinho quando sofreu o acidente.

Desde quarta-feira, Iago estava desaparecido. Seu corpo foi localizado pela polícia americana somente na madrugada de sexta-feira, 14, na estação de esqui, próximo de uma árvore, com ferimentos na cabeça. Cláudia disse que estudantes de outros países, que frequentavam o intercâmbio com Iago, perceberam ausência do rapaz e a procura teve início assim que a polícia foi comunicada.

Segundo Cláudia, os pais de Iago - o advogado Adriano Constante Martins e a professora Luciana Bezerra - não chegaram a embarcar para os EUA para cuidar do translado do corpo, que assim como os serviços fúnebres, serão de responsabilidade do seguro de viagem que o estudante fez ao deixar o o Brasil. Segundos os familiares, o corpo deverá chegar somente no fim de semana devido à necessidade de realização de autópsia que será feita a partir de terça-feira porque segunda é feriado nos Estados Unidos.

A mãe do estudante, Luciana Bezerra, postou mensagem no seu perfil no Facebook agradecendo as mensagens de apoio e informando sobre a repatriação do corpo do filho, chamado carinhosamente de "preto". "Amigos, peço que entendam meu silêncio e ausência. Ainda não tenho forças para conseguir acolher o conforto de vocês, pois, antes disso preciso aceitar o meu próprio luto. A repatriação do corpo deve ocorrer em uma semana e até a chegada deste momento, me reservarei a ficar na companhia das coisas dele. Preciso desse tempo, por favor, não me entendam mal. De qualquer forma, conto com orações e boas energias de todos aqueles que de, alguma forma, tiveram o privilégio de conviver com o meu preto".

Mais conteúdo sobre:
Esqui

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.