Brasileira é presa na Espanha acusada de integrar Camorra

Uma brasileira foi presa ontem na Espanha acusada de integrar a Camorra, a máfia napolitana. A suspeita é que ela facilitaria a entrada de produtos chineses falsificados em 14 países, incluindo o Brasil. Ao todo, 64 pessoas foram detidas até a noite de ontem na Operação Leatherface, segundo o jornal espanhol El País. Outras 60 pessoas são procuradas e podem ser alvo de mandados internacionais de prisão.

, O Estado de S.Paulo

28 Julho 2011 | 00h00

O grupo, comandado de Nápoles por um homem identificado como Giuliano R., adquiria grandes quantidades de produtos falsificados de 25 empresas chinesas - que fabricam de ferramentas a roupas. Os produtos entravam na Itália pela Espanha e então eram enviados para outros países europeus, Estados Unidos, Canadá, México, Marrocos, África do Sul e Brasil.

A polícia espanhola iniciou as investigações há cerca de um ano e suspeita que a Camorra tenha montado uma "rede comercial" em todos os países que recebiam os produtos falsificados. Os policiais fizeram buscas em vários endereços de Madri e em outras quatro cidades espanholas. Os 64 presos, incluindo a brasileira, serão julgados por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e delitos fiscais e autorais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.