Brasil repatria 400 veículos da Bolívia

Carros roubados circulavam irregularmente no país vizinho. Medida é um dos primeiros resultados de 1 ano de controle das fronteiras

Vannildo Mendes, de O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2012 | 03h03

BRASÍLIA - Um ano de cerco mais intenso na fronteira do Brasil com os países vizinhos, por meio da Operação Sentinela, da Polícia Federal, começou a alterar o cenário da guerra do País contra o tráfico de drogas, roubo de carros e o crime organizado numa região conhecida como terra de ninguém. Um ato simbólico da operação será o repatriamento de mais de 400 veículos, de todas as marcas, roubados no Brasil e levados para a Bolívia.

O governo brasileiro está contratando caminhões-cegonha e preparando a logística para trazer os veículos e entregá-los aos seus proprietários dentro de um ou dois meses. O comboio entrará no Brasil por Corumbá, em Mato Grosso do Sul, e de lá seguirá para São Paulo e demais cidades de onde foram roubados.

Os carros estavam prestes a ser legalizados na Bolívia. Decreto baixado pelo governo Evo Morales há um ano concedeu anistia e permitiu a regularização de mais de 120 mil veículos que circulam sem documentos no país.

Estima-se que pelo menos 2 mil carros podem ter sido levados irregularmente do Brasil. "A pronta atuação da PF, com auxílio do Ministério das Relações Exteriores e a colaboração das autoridades bolivianas, reverteu a situação", disse Oslaim Santana, titular da Diretoria de Combate ao Crime Organizado (Dicor) da PF.

Outros números reforçam a Sentinela. De junho de 2011 a junho deste ano, as apreensões de cocaína subiram de 4 para 24 toneladas - seis vezes mais -, enquanto as de maconha alcançaram 146 toneladas, 90% acima das quase 80 toneladas apreendidas ao longo de todo o ano de 2010. Além disso, as prisões em flagrante saltaram de pouco mais de 2 mil para 7.500 - quase quatro vezes mais do que no ano anterior.

Santana diz que a colaboração da polícia boliviana também levou à prisão de dois megatraficantes condenados pela Justiça brasileira, que haviam fugido para aquele país, de onde comandavam seus negócios. Eles serão extraditados tão logo sejam concluídos os trâmites judiciais.

O volume de dinheiro apreendido praticamente triplicou, assim como o de armas, veículos e embarcações. As apreensões de cigarros saltaram de 1,7 milhão para 4,7 milhões de pacotes. Os dados fazem parte do balanço que a PF está fechando sobre a Sentinela, que integra o Plano Estratégico de Fronteira, lançado pela presidente Dilma Rousseff em 8 de junho de 2011.

Fácil acesso. Pela fronteira seca de 16,8 mil quilômetros entre o Brasil e dez países vizinhos, entram mais de 80% da maconha e cocaína consumidas no País. Quase toda a maconha vem do Paraguai e a cocaína procede da Bolívia, do Peru e da Colômbia. O plano de fronteiras, que inclui as Forças Armadas e 26 órgãos de vários ministérios, prevê um conjunto de ações de prevenção e repressão a todo tipo de criminalidade.

A tendência, segundo Santana, é que as apreensões de drogas e desmantelamento de quadrilhas aumentem neste ano, com o reforço do efetivo e a entrada em operação de equipamentos e várias medidas estruturantes previstas no plano.

O governo está realizando concursos para contratação de 3.600 novos policiais federais e rodoviários nos próximos anos - e 1.200 já foram contratados. Quase todos serão lotados na fronteira, que terá seu efetivo dobrado. Com recursos do plano, estão sendo construídas novas bases e reformadas as antigas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.