Brasil já é uma das maiores rotas de cocaína, diz União Europeia

320 quilos da droga, saídos de porto brasileiro, foram apreendidos na Bélgica; segundo Reino Unido, fato não é isolado

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

30 Dezembro 2011 | 03h01

A Europa fez soar o alerta em relação à transformação do Brasil em uma das maiores rotas do tráfico internacional de cocaína. Ontem, a polícia federal da Bélgica anunciou apreensão de 320 quilos de cocaína, achados em carregamento vindo do Brasil, enquanto a Europol - serviço policial subordinado à União Europeia - confirma que o País, neste ano, foi uma das principais rotas da droga em direção ao mercado europeu.

Agentes das polícias alemã, britânica e espanhola passam a atuar no Brasil para tentar frear a atuação de grupos criminosos. A Europol estima que um terço da produção de cocaína - cerca de 250 toneladas - foi transportada entre América do Sul e Europa. Mais da metade passaria pelo Brasil antes de ir ao mercado europeu, vindo de Colômbia, Bolívia ou Peru. Portos do Nordeste seriam os mais visados, já que o controle seria mais frouxo.

No caso do carregamento apreendido ontem na Bélgica, a polícia local se surpreendeu não tanto pela quantidade, mas pelo fato de os contrabandistas não tentarem nem mesmo disfarçar a droga. Ela foi descoberta em uma empresa na cidade de Willebroek, que havia acabado de receber um contêiner com material vindo do Brasil para a fabricação de asfalto.

"Para sua grande surpresa, ao abrirem o contêiner, os funcionários da empresa se depararam com 11 malas onde estava a droga", relatou a polícia belga em um comunicado. A suspeita é de que as malas foram embarcadas no Brasil e seriam recuperadas pelo grupo criminoso ao desembarcar no porto de Anvers, na Bélgica. "Mas, por um motivo ainda desconhecido, isso não ocorreu", afirmou Johan Geentjens, diretor judicial da polícia federal belga. O carregamento está avaliado em 12 milhões.

No Reino Unido, documentos do Comitê de Relações Exteriores do parlamento britânico apontam que a operação na Bélgica não foi caso isolado. "O Brasil tem sido uma rota cada vez mais importante do tráfico para a Europa."

Prioridade. A Agência para o Crime Organizado, ligada à polícia britânica, admitiu ao parlamento em outubro que o Brasil havia se transformado em uma de suas prioridades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.