Brasil 'inicia' 2014 com expectativa de 600 mil turistas

Pontapé inicial é na África, hoje, com a presença do presidente Lula e dirigentes da Fifa

Jamil Chade, enviado especial a Johannesburgo, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2010 | 00h00

A Fifa e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciarão hoje que a Copa de 2014 começa agora. A Embratur lançará campanha de promoção do Brasil no exterior e o governo promete grandes investimentos. O governo já fez seus cálculos: a Copa vai trazer ao País 600 mil torcedores estrangeiros e movimentará 3 milhões de brasileiros pelas sedes do Mundial.

Mas, nos bastidores, a Fifa alerta que essas metas não serão atingidas se o Brasil não aprender com os erros da África do Sul.

Há 24 anos, a Fifa não realizava uma Copa num país em desenvolvimento. A última vez, no México, em 1986, o Mundial tinha proporções diferentes.

Publicamente, a entidade fez amplos elogios aos organizadores sul-africanos. Mas o presidente da Fifa, Joseph Blatter, chegou a temer pela credibilidade do evento. Graves erros de organização, transporte falho, sedes despreparadas, greves e fiasco na venda de entradas farão parte de uma revisão que a entidade promete realizar para estabelecer os parâmetros do evento no Brasil.

Mudanças. A primeira grande mudança será na forma de atrair estrangeiros e evitar o fiasco de turistas que foi a Copa de 2010. Menos de 300 mil pessoas viajaram à África do Sul, contra 2 milhões na Copa de 2006. O Brasil acredita que atrairá 600 mil estrangeiros. Para isso, a Fifa promete alteração radical na forma de venda de ingressos no exterior e de pacotes para 2014.

Hora de faturar

3 milhões

de brasileiros viajarão pelas 12 sedes da Copa do Mundo de 2014, de acordo com estimativa do governo brasileiro, além de 600 mil estrangeiros

300 mil

turistas apenas foram à África do Sul, número que decepcionou a Fifa e o governo africano, que esperavam pelo menos 500 mil

2,8 bilhões de reais

é o que a Fifa prevê de arrecadação com a comercialização dos direitos do Mundial de 2014

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.