Brasil estuda restringir entrada de espanhóis

Em retaliação ao tratamento dado a brasileiros barrados na Espanha, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, admitiu ontem a possibilidade de o Brasil adotar critérios de reciprocidade para a entrada de espanhóis no território nacional. Em depoimento conjunto às Comissões de Relações Exteriores e de Turismo e Desporto da Câmara, o chanceler reconheceu que "há uma cooperação insuficiente de certas autoridades e de certos indivíduos da Espanha".

Eugênia Lopes, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2011 | 00h00

"Estamos nos preparando para adotarmos a reciprocidade em relação à Espanha, com a exigência dos mesmos documentos para a entrada de espanhóis no Brasil", afirmou Patriota. "Mas antes estamos fazendo um esforço adicional para ver se o número de inadmissões diminui." Segundo o ministro, o número de brasileiros barrados na Espanha passou de uma média 250 para 140 por mês. Em 2007, foram 3.013 brasileiros impedidos de entrar no país europeu; em 2008, 2.196; em 2009, 1.714; em 2010, 1.695.

No depoimento, Patriota lembrou que, hoje, os índices de desemprego no Brasil estão caindo, levando a uma redução do número de interessados em emigrar para a Espanha. "Atualmente, temos um número crescente de espanhóis procurando emprego no Brasil. Temos identificado um fluxo oposto. Afinal, a taxa de desemprego na Espanha é de mais de 20%."

Patriota reconheceu, no entanto, que ainda há situações inaceitáveis de brasileiros barrados na Espanha. O assunto foi tratado pelo chanceler, em maio, durante a visita a Brasília da ministra dos Assuntos Exteriores e da Cooperação da Espanha, Trinidad Jiménez. "Ela se comprometeu a levar o assunto aos outros órgãos espanhóis envolvidos. Há casos de brasileiros que foram tratados de maneira arbitrária, humilhante. Se a situação persistir, seria o caso de examinar a adoção da reciprocidade, de exigir os mesmos documentos, como a garantia de hospedagem e a apresentação de extrato bancário", disse o ministro.

Estados Unidos. O chanceler informou ainda que vai discutir com os Estados Unidos a dispensa de visto para os cidadãos brasileiros e americanos.

"Passou de mais de 40% para aproximadamente 5% o porcentual de vistos não concedidos a brasileiros que desejam viajar aos Estados Unidos. Isso habilita os cidadãos brasileiros a serem dispensados do visto", argumentou Patriota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.