Bope anuncia código de conduta para a Rocinha

Comandante foi aplaudido ao informar que os bailes funk não estavam proibidos na comunidade, mas barulho teria de ser moderado depois das 22h

ALFREDO JUNQUEIRA / RIO, O Estado de S.Paulo

17 Novembro 2011 | 03h05

Em um encontro que reuniu mais de 600 moradores da Rocinha, o comandante do Batalhão de Operações Especiais (Bope), coronel René Alonso, divulgou um novo "código de conduta" para a comunidade. E foi aplaudido ao pedir que todos cantassem o Hino Nacional; ao informar que a comunidade não estava sob toque de recolher e os bailes funks não estavam proibidos; e ao dizer que o barulho teria de ser moderado depois das 22h.

"Eventos precisam de organização e autorizações concedidas por órgãos públicos", explicou o comandante. "Também precisamos entender que, por melhor que esteja a nossa festa, muitos dos nossos vizinhos precisam acordar às 6h", alertou.

O coronel René também destacou procedimentos para os próximos três meses e pediu colaboração. Ele disse entender que as revistas pessoais e domiciliares incomodam, mas garantiu que a prática visa à segurança da comunidade. Após a ocupação dos Morros da Rocinha, do Vidigal e da Chácara do Céu, no sábado, os policiais têm como objetivo a localização de armas e drogas e a prisão de traficantes e demais bandidos escondidos.

Segundo René, a ocupação da Rocinha é um exemplo para o mundo inteiro e, a partir de agora, a comunidade poderá conhecer integralmente os valores dos direitos humanos e da democracia. "É inconcebível que estivéssemos morrendo e matando como estava acontecendo. Que país é esse em que achamos isso normal?", questionou o comandante do Bope.

Motos. O anúncio de que a tropa de elite da PM proibiria a circulação de motos e outros veículos que não estivessem de acordo com a legislação provocou reação imediata. Parte do público era de mototaxistas. Preocupados com a fiscalização, muitos saíram após o discurso para debater as mudanças e pedir informações a outros oficiais.

Já foram recuperadas 132 armas - 75 fuzis, além de pistolas, carabinas e submetralhadoras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.