Bombeiros tentam conter mancha de óleo no Lago Paranoá

Problema foi causado após vazamento em caldeira do Hospital Regional da Asa Norte, em Brasília

Lígia Formenti / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2013 | 02h08

Uma mancha de óleo com raio de 3 quilômetros pôde ser avistada nessa quinta-feira, 17, no Lago do Paranoá, em Brasília. Um vazamento em uma caldeira do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) foi a origem do problema, de acordo com o presidente da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), Nilson Martorelli.

Redes de contenção com capacidade para absorver material poluente foram instaladas na tarde ontem. O equipamento pertence à empresa Transpetro e estava em Goiânia.

O foco do vazamento foi identificado perto de uma galeria pluvial. As ações para contenção do vazamento começaram na manhã de ontem. Em um primeiro momento, equipes do Instituto Brasília Ambiental, do Corpo de Bombeiros, da Marinha e da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) realizaram uma contenção emergencial.

O superintendente de Licenciamento e Fiscalização do Brasília Ambiental, órgão do governo do Distrito Federal, Aldo Fernandes, disse estar convicto de que o acidente trará danos para a flora e a fauna da região.

Hospital. O HRAN é um hospital público, vinculado à Secretaria de Estado de Saúde. A unidade já foi multada em junho de 2012, também por problemas de vazamento de material poluente de suas caldeiras.

O hospital começou a ser construído em 1972 e teve suas obras interrompidas em 1975. Em 1980, as obras foram retomadas e a inauguração foi em 1984. Trata-se de uma importante unidade de saúde no Distrito Federal e também para a região.

Mais conteúdo sobre:
Lago ParanoáBrasília

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.