André Penner/AP
André Penner/AP

Fumaça de vazamento de gás no litoral sul atinge quatro cidades

70 moradores do Guarujá foram atendidos; acidente em terminal de cargas da Localfrio afeta também Santos, São Vicente e Cubatão

Lucas Melo, Especial para o Estado

15 de janeiro de 2016 | 08h31
Atualizado 15 de janeiro de 2016 | 09h13

GUARUJÁ - A fumaça produzida pelo vazamento de gás da empresa Localfrio, no Guarujá, no litoral sul de São Paulo, na tarde desta quinta-feira, 14, já afeta outras três cidades. Por volta das 21 horas, parte das cidades de Santos, São Vicente e Cubatão foram atingidas. De acordo com a prefeitura de Guarujá, o número de moradores atendidos nos postos de saúde da cidade por causa do acidente é de aproximadamente 70. 

A Localfrio informou na manhã desta sexta-feira que o Corpo de Bombeiros segue atuando no combate ao incêndio causado na área da empresa.

Os trabalhos foram iniciados logo após o início do acidente, por volta de 15 horas desta quinta-feira, e seguiu sem parar durante toda a noite e a madrugada. "Inicialmente, o lote continha aproximadamente 85 contêineres e desse número contabilizamos 20 ou 25 em chamas. No momento, trabalhamos no combate ao fogo em cerca de 10 contêineres", disse o tenente do Corpo de Bombeiros, Rafael Marques.

"Isolamos a área e praticamente não há risco de o fogo se alastrar. Estamos com cerca de 80 militares atuando e contando com auxílio de navio que puxa água do mar para ajudar no combate ao fogo", declarou Marques. "A previsão é de que os trabalham de resfriamento sejam finalizados até o final da tarde."

Segundo a Localfrio, a situação está controlada e não há risco de o fogo atingir outros equipamentos.

Ainda é possível notar fumaça próximo à empresa e no distrito de Vicente de Carvalho, mas em menor quantidade do que na quinta-feira.

A Localfrio divulgou ainda que aguarda laudo da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) para divulgar a quantidade de materiais que causaram o acidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.