Divulgação/Corpo de Bombeiros de Avaré
Divulgação/Corpo de Bombeiros de Avaré

Bombeiros resgatam homens soterrados sob montanha de soja no interior de SP

Trabalhadores foram içados com pranchas após 3 horas de operação de resgate; eles não sofreram ferimentos graves

Bibiana Borba, O Estado de S.Paulo

08 Julho 2017 | 20h54

SÃO PAULO – Dois funcionários de uma cooperativa agroindustrial foram resgatados sem ferimentos graves após serem soterrados por grãos de soja no distrito de Campos de Holambra, em Paranapanema, no interior de São Paulo, na tarde deste sábado, 8. Conforme o Corpo de Bombeiros, os homens de 25 e 38 anos ficaram mais de 3 horas dentro de um silo metálico, cobertos até o pescoço pela montanha de soja.

Eles trabalhavam no local quando um equipamento que suga a produção para fora teria sido ligado por acidente. Quando a máquina foi desligada, os trabalhadores ficaram presos em uma lateral com menor acúmulo de soja, pressionados por uma montanha de grãos com cerca de 10 metros de altura.

“A gente tentou içá-los, mas não conseguia por causa da pressão da soja. Tivemos de deixar eles amarrados, ancorados e com pranchas em volta do corpo enquanto fazíamos um buraco para escoar a soja”, relatou o sargento Fabiano Crivelli de Ávila, do batalhão dos bombeiros de Avaré. Equipes de Itaí e Bauru também foram acionadas para a operação de resgate.

Tanques de oxigênio foram usados para manter os trabalhadores respirando, enquanto um buraco era aberto na parede do silo para aliviar a pressão e permitir o içamento. “Ainda havia o risco de explosão por causa do contato das fagulhas do equipamento com a soja”, conta Ávila que, em doze anos como bombeiro, diz nunca ter visto caso parecido. "Foi por Deus que eles não morreram".

A região tem várias empresas que trabalham com silos para o armazenamento da produção agrícola. Os trabalhadores foram levados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Hospital de Paranapanema para observação. Eles sentiam dores no corpo, mas estavam conscientes e não sofreram lesões aparentes. As causas do acidente devem ser investigadas pela Polícia Civil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.