Meninos da Billings/Facebook
Meninos da Billings/Facebook

Bombeiros encontram corpo de ambientalista desaparecido na Represa Billings

Adolfo Souza Duarte, de 41 anos, sumiu após cair de uma embarcação na última segunda-feira, 1º de agosto

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2022 | 14h38

O corpo do ambientalista Adolfo Souza Duarte, de 41 anos, que desapareceu após cair de uma embarcação na Represa Billings na última segunda-feira, 1º, em São Paulo, foi encontrado pelo Corpo de Bombeiros na manhã deste sábado, 6, próximo à 1ª balsa da represa, localizada na Avenida Dona Belmira Marin, no Grajaú, zona sul da cidade. 

Por meio de nota, a Polícia Civil informou que os familiares de Duarte, também conhecido como Ferrugem, reconheceram o corpo do ambientalista. O caso foi registrado como morte suspeita pelo 101º Distrito Policial (DP). O Instituto de Criminalística (IC) e o Instituto Médico Legal (IML) vão realizar exames periciais.

Com 41 anos, Adolfo Duarte era presidente da ONG Meninos da Billings, focada na preservação da região da represa a partir do trabalho de educação ambiental do manancial. 

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, a embarcação na qual Ferrugem estava sofreu um acidente na segunda à noite, às 20h14. O ambientalista voltava de um passeio pela represa com dois casais que o contrataram para o serviço. Com o solavanco, os tripulantes da embarcação caíram e Duarte teria se afogado.

A corporação realizou buscas diárias no local até este sábado. Ao Estadão, o delegado Marcos Gomes de Moura, do 101º DP, explicou que Ferrugem recebeu R$ 50 para fazer um passeio com dois casais.

"Teve uma festinha dentro do barco, as pessoas beberam cerveja e ele até deixou o pessoal pilotar. E, em um momento desses, ele estava dançando na parte de trás do barco e uma outra pessoa estava o guiando. Foi aí que teve um solavanco, ele e outra mulher caíram", afirma.

O delegado relatou que, após a queda, Ferrugem conseguiu ajudar uma mulher a subir na embarcação, mas que depois disso acabou desaparecendo. “Pode ter sido atingido pela hélice do barco ou mesmo afundado. Por isso, o laudo necroscópico será importante”, diz Moura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.