Bombeiro é morto na porta de igreja

Helder Augusto Ferreira dos Santos, de 22 anos, trocou tiros com assaltantes que queriam levar sua moto; duas fiéis foram baleadas

ADRIANA FERRAZ, O Estado de S.Paulo

25 de dezembro de 2012 | 02h03

O bombeiro Helder Augusto Ferreira dos Santos, de 22 anos, foi morto na noite de anteontem na frente da sede da Congregação Cristã do Brasil do Jardim Jaraguá, região de São Miguel Paulista, na zona leste. O policial reagiu a uma suposta tentativa de assalto na saída de um culto, por volta das 21h. Ele chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos. Durante o tiroteio, duas fiéis ficaram feridas.

Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública, William dos Santos Batista, de 19 anos, abordou a vítima no número 1.171 da Avenida Ipê Roxo com o objetivo de roubar sua moto, uma Honda CB300R azul. O policial reagiu e os dois iniciaram uma troca de tiros.

Duas mulheres, uma de 55 anos e outra de 89 foram atingidas durante o tiroteio. Elas foram levadas ao hospital e passam bem. A primeira foi baleada na região do abdome, mas não corre risco de morrer. Já a idosa levou um tiro de raspão. Depois de balear o PM, Batista fugiu em uma moto roubada.

Em buscas pela região, a Polícia Militar encontrou o suspeito, que também foi baleado, no Pronto-Socorro do Hospital Municipal de Ermelino Matarazzo, onde recebia atendimento médico. Ele foi identificado no local por testemunhas do crime e vai responder por homicídio e tentativa de homicídio. Batista teria um comparsa, ainda não identificado, que conseguiu escapar.

Helder dos Santos estava na corporação havia dois anos. Ele teria ido à igreja buscar a namorada, que participava do culto, quando o assalto foi anunciado. Nada foi roubado.

Violência. Com a morte do bombeiro, sobe para 105 o número de policiais militares mortos desde janeiro no Estado - em todo o ano passado, foram 48. A alta, até agora, é de 118%. Na maioria dos casos, as vítimas estavam em horário de folga.

A onda de violência, que já provocou a troca de todo o comando da Segurança Pública, ainda não deu trégua em São Paulo. Dados divulgados na semana passada mostram que o total de homicídios registrados na capital no mês de novembro cresceu 50% na comparação com o mesmo período de 2011. Em relação a outubro, o mês anterior, houve pequena redução de 4% - as ocorrências caíram de 150 para 144.

A queda, ainda que pequena, ocorreu após o ex-procurador-geral de Justiça do Estado, Fernando Grella Vieira, assumir o posto de secretário, substituindo o promotor público Antonio Ferreira Pinto. A troca ocorreu em 22 de novembro, quando 93 PMs já haviam sido mortos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.