Bomba em fórum de Rio Claro fere 2

Suposto alvo de atentado, juíza não estava no local durante explosão; artefato foi colocado com pregos e parafusos dentro de Papai Noel

TATIANA FÁVARO / CAMPINAS, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2012 | 03h03

Uma bomba explodiu no começo da tarde de ontem no Fórum de Rio Claro, no interior de São Paulo. Dois funcionários ficaram feridos. Segundo a Polícia Militar, o artefato era de fabricação caseira e o pacote no qual ele foi entregue estava endereçado à juíza da 3.ª Vara Cível, Cynthia Andraus Carreta.

Uma estrutura feita com pregos e parafusos envolvia os explosivos, supostamente para provocar mais danos às vítimas. O artefato foi colocado dentro de um boneco de Papai Noel e, posteriormente, em uma caixa embrulhada para presente. Segundo a delegada titular da Central de Polícia da Delegacia Seccional de Rio Claro, Sueli Isler, o pacote chegou ao fórum pela manhã, acompanhado de um envelope com o nome da juíza. Cynthia, no entanto, não estava no prédio.

A delegada disse que, até o fim da tarde de ontem, após ouvir testemunhas, não conseguiu identificar quem deixou o pacote no fórum. O embrulho foi encontrado por um guarda-civil sobre a mesa de recepção do segundo andar, no qual ficam as varas cíveis. "Quando o guarda voltou para a mesa, o embrulho estava lá. Uma funcionária perguntou para quem era e ele disse que era para a juíza. Ela perguntou quem tinha deixado e ele disse não ter visto", contou Sueli. "A funcionária, formada em Direito, mais experiente, achou estranho. Não é hábito juízes serem presenteados assim. Entregou o embrulho então a um responsável pela segurança", disse a delegada.

O funcionário disse à polícia que deixou o pacote sobre o balcão no saguão do prédio enquanto atendia a um chamado. Depois, segundo a delegada, um dos funcionários da recepção teria mexido no pacote, o que causou a detonação da bomba.

Vítimas. Os dois funcionários feridos foram levados pelo Serviço de Atendimento de Urgência e Emergência ao Hospital da Unimed. Um dos homens sofreu cortes e queimaduras nas mãos, tórax e rosto e passou por uma cirurgia de emergência ao chegar ao hospital. O outro funcionário teve ferimentos leves na mão e no peito e ficou em observação. Até as 20h de ontem, o hospital não havia divulgado informações oficiais sobre os pacientes.

A movimentação de policiais e curiosos na frente do fórum foi intensa durante a tarde. O prédio teve de ser interditado pela polícia. "A sorte é que não tinha muita gente no saguão quando isso explodiu, porque os pregos e parafusos voaram longe", disse a delegada.

A polícia colheu depoimentos durante a tarde de ontem. A equipe de investigação tenta agora levantar nomes de possíveis inimizades que a juíza possa ter criado com seu trabalho.

A magistrada ainda não foi ouvida pela polícia. "Tentamos, mas ela estava fora da cidade hoje", disse a delegada. Cynthia também não foi localizada pelo Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.