Bom Retiro inspira expedição de foto

Fotógrafo da 'National Geographic' lidera projeto

MONIQUE ABRANTES, O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2012 | 03h03

As ruas do Bom Retiro, no centro de São Paulo, serviram de cenário para uma expedição fotográfica feita na tarde de ontem com o objetivo de retratar a imigração. O evento integra a 4.ª edição do Festival Herança Compartilhada, realizado pelo Sesc, pelo Consulado dos Estados Unidos e pelo Centro Universitário Senac.

A expedição teve a participação e orientação do fotógrafo da revista National Geographic Tyrone Turner. Ele, que já morou no Nordeste brasileiro e desenvolveu um trabalho fotográfico nas comunidades quilombolas da região para a revista americana, explica que há muita semelhança na pluralidade de culturas encontradas aqui e nos Estados Unidos. "Essa região, em especial, é muito bonita, reúne muitas culturas. Sem contar as pessoas, que são bastante receptivas."

Muitos estudantes de fotografia acompanharam a caminhada pelas ruas do bairro, como a Três Rios e a da Graça, e por locais como a Estação Júlio Prestes e o Parque da Luz. Para a estudante Aline Ioavasso, de 23 anos, essa foi uma grande oportunidade de explorar o Bom Retiro em segurança. "Para fazer trabalhos como esses é preciso estar em grupo, ainda mais por estarmos em uma região perigosa", disse.

Uma das idealizadoras do evento, Maristela Correa explicou que, além de mostrar a diversidade de etnias presentes no Brasil, o passeio fotográfico quer discutir a herança compartilhada que o Brasil e os Estados Unidos têm hoje por causa da chegada de povos de diversos lugares do mundo. "Queremos examinar o nosso passado cultural, projetado no nosso futuro, para saber como enfrentaremos essas mudanças."

Curiosidade. Moradores e comerciantes do bairro olhavam atentos para o grupo que se deslocava com câmeras fotográficas de diversos tipos, desde as analógicas até as acopladas a tablets, para retratar seus costumes.

Alguns ficaram tímidos diante das lentes, outros, mais receptivos. Foi o caso do imigrante japonês Toshio Nakamura, de 73 anos, que foi abordado por uma participante da expedição enquanto atravessava a rua. "Muito bacana o trabalho, aqui tem todo tipo de gente", disse.

O passeio terminou no Parque da Luz, por volta das 16 horas, horário em que muitos bolivianos visitam o local após o trabalho e que coreanos aproveitam o pôr do sol para levar seus filhos para passear. As fotos tiradas durante o passeio serão expostas no Sesc Bom Retiro em setembro e farão parte de um livro que, por enquanto, não tem data para ser lançado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.