Bologna admite que aviões não voam mais com reverso pinado

TAM reconhece que só voa com equipamento pinado em aviões que fazem escalas em aeroportos de pistas longas

Bruno Tavares, do Estadão,

02 de agosto de 2007 | 16h12

O presidente da TAM, Marco Antonio Bologna, disse nesta quinta-feira, 2, à CPI do Apagão Aéreo, que, a partir de agora, a empresa vai consultar os fabricantes de suas aeronaves antes de "pinar" (bloquear o funcionamento) o reverso de qualquer avião. Segundo Bologna, essa decisão deve vigorar até que as investigações sobre o acidente de 17 de julho indiquem se o fato de um dos equipamentos do Airbus A320 estar travado na hora do pouso teve relevância entre os fatores que causaram o acidente.   Bologna afirmou aos parlamentares que "nenhum equipamento (aeronave) está pinado hoje (quinta-feira)". Segundo ele, o porcentual de aeronaves com reverso pinado era baixo antes do acidente, mas não detalhou a informação.   O deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) perguntou a Bologna se a TAM havia decidido tomar essa medida de consulta prévia aos fabricantes após a publicação de reportagem do Estadão, no dia 31, sobre uma determinação da empresa para que seus aviões não voassem mais com o reverso pinado. O presidente da companhia negou que a matéria tivesse influído na decisão e afirmou que não houve "proibição" de bloquear o reverso.   No entanto, a própria empresa admitiu ao Estadão, na ocasião, que só admitiria voar com o equipamento pinado em aviões que fizessem escalas em aeroportos com pistas longas e grandes áreas de escape.

Tudo o que sabemos sobre:
crise aéreavôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.