Divulgação
Divulgação

Bolivianos são presos com malas de roupa engomada com cocaína

Suspeitos viajavam com a droga num ônibus que fazia a linha entre Campo Grande (MS) e a capital paulista

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

24 Novembro 2017 | 12h08

SOROCABA - Duas mulheres e um homem de nacionalidade boliviana foram presos transportando malas de roupa engomada com cocaína, nesta quinta-feira (23), em Presidente Venceslau, extremo oeste do Estado de São Paulo. Os suspeitos viajavam com a droga num ônibus que fazia a linha entre Campo Grande (MS) e a capital paulista. A abordagem aconteceu num posto da Polícia Militar Rodoviária, no km 616 da rodovia Raposo Tavares. 

+ Estrangeiros são presos por tráfico de drogas em estação do Metrô de SP

+ Estudo revela cocaína no mar da baía de Santos

Os policiais suspeitaram do conteúdo de duas malas contendo roupas excessivamente engomadas e, após o uso de um reagente, acabaram constatando que a "goma" era cocaína - essa forma de tráfico é muito vista em filmes. As roupas pesaram 21 quilos. As malas, localizadas no bagageiro externo do ônibus, tinham a identificação dos passageiros nas etiquetas. O homem de 53 anos e as duas mulheres, de 31 e 26 anos, foram levados para a delegacia da Polícia Federal em Presidente Prudente.

Aos agentes, as mulheres revelaram que tinham sido contratadas pelo boliviano em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia. Elas receberiam US$ 700 para fazer o transporte das malas até São Paulo - as bagagens estavam em nome delas. Com os três suspeitos, a polícia apreendeu US$ 1,9 mil e uma quantidade equivalente a US$ 800 em cédulas falsas.

+ Ruas do Centro Histórico de SP estão fechadas para carros e motos nesta sexta-feira

Os bolivianos devem passar por audiência de custódia, na Justiça Federal, nesta sexta-feira (24). Eles vão responder pelos crimes de tráfico internacional de entorpecentes e importação de moeda falsa estrangeira. Até a manhã desta sexta, segundo a PF, os suspeitos não tinham constituído advogado. Caso isso não seja feito até a audiência de custódia, que ainda não tinha horário definido, será nomeado um defensor público.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.