Bola fingiu esquartejar Eliza, afirma delegado

No terceiro dia de julgamento de Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, acusado de ser o executor de Eliza Samudio, o ex-delegado Edson Moreira disse que o réu é "um especialista da arte de matar e de dissimular". Moreira, que liderou as investigações sobre a morte da ex-amante do goleiro Bruno Fernandes, afirmou que Bola fingiu ter esquartejado e jogado aos cães o corpo da vítima.

ALINE RESKALLA, ESPECIAL PARA O ESTADO, CONTAGEM (MG), O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2013 | 02h07

A versão do esquartejamento foi contada pelo primo de Bruno, Jorge Luiz Sales, que era menor de idade quando participou do crime, em 2010. Mas a polícia descartou a história e até Sales desmentiu a versão.

O advogado de Bola, Ércio Quaresma, tentou usar a controvérsia para apontar contradições no trabalho policial. "Fez-se imaginar ao menor (Sales) que isso teria ocorrido", disse Moreira. "Asfixiaram a vítima. E ele (Bola) pediu para que os dois (Sales e Luiz Henrique Romão, o Macarrão, amigo de Bruno) saíssem do recinto que ele ia dar um jeito picar a vítima. Sai o autor, segurando um saco nas costas, vai em direção aos cães e fala assim: olha a mão dela aí."

Após cinco horas e meia de depoimento, Quaresma alegou cansaço e os trabalhos foram interrompidos. Moreira volta a depor às 9h de hoje.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.