Jose Patricio/Estadão
Jose Patricio/Estadão

Boechat morreu em decorrência de politraumatismo, aponta laudo

Exame não apontou indícios de que o jornalista inspirou fuligem ou fumaça antes de morrer

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2019 | 21h49

SÃO PAULO - O jornalista Ricardo Boechat, de 66 anos, morreu em decorrência de politraumatismo provocado pela queda do helicóptero na Rodovia Anhanguera, em São Paulo, segundo laudo do Instituto Médico Legal (IML). O piloto Ronaldo Quattrucci, de 56, também morreu no acidente que aconteceu na segunda-feira, 11.

O exame não apontou indícios de que Boechat inspirou fuligem ou fumaça antes de morrer, segundo o delegado Luiz Roberto Hellmeister, responsável pelo inquérito. "(Foi detectada) uma concentração abaixo de 10% de carboxihemoglobina (intoxicação por monóxido de carbono) no sangue, o que indica que a vítima já se encontrava em óbito antes da exposição ao gás", afirma o laudo.

De acordo com o documento, o jornalista sofreu traumatismos torácico e abdominal, "caracterizando politraumatismo, com carbonização secundária". O corpo do jornalista foi reconhecido pela arcada dentária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.