Bloomberg, o mais assediado no Jockey

No coquetel para convidados da C40, prefeito faz brincadeira com Kassab e Cidade Limpa

Flávia Tavares, O Estado de S. Paulo

02 de junho de 2011 | 08h35

Cercado de assessores, agentes do serviço secreto americano e fotógrafos, o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, tentava dar conta, do alto de seu 1,68 metro, da demanda por sua atenção. No coquetel que antecedeu o jantar aos prefeitos convidados para a C40, na noite de terça-feira, Bloomberg conseguiu ter uma conversa mais longa com o cônsul-geral do Líbano, Joseph Sayah, e um diálogo rápido com a vice-prefeita de Paris, Anne Hidalgo, em inglês. Sempre com Gilberto Kassab a tiracolo. Os demais se contentaram com um aceno ou um "hello".

Enquanto isso, sua companheira, Diana Taylor, flanava sorridente entre os outros representantes de cidades do mundo inteiro. Ela se dizia extasiada com a imensidão de São Paulo. "Dizem que a gastronomia daqui é fantástica, mas ainda não conseguimos explorar essa parte", lamentou. Parece que diversão não é o forte de Bloomberg - ouvia-se no coquetel do Jockey de São Paulo que o prefeito nova-iorquino é um "caxias".

Os prefeitos vinham de um evento no Parque do Ibirapuera, onde plantaram árvores simbolicamente e assistiram a um espetáculo do Balé da Cidade, reduzido à metade a pedido de Kassab, para não cansar os convidados. Talvez até pelo cansaço, prefeitos e assistentes se atiraram sem medo nas caipirinhas de cachaça, saquê e vodca oferecidas no coquetel.

Na hora do jantar - que teve picanha com pinhão e goiabada com cocada -, Bloomberg fez um breve discurso, salientando as semelhanças entre Nova York e São Paulo, especialmente o trânsito. E agradeceu a hospitalidade de Kassab: "Pretendia colocar outdoors pela cidade expressando minha gratidão, mas fui informado de que o prefeito não é muito fã de outdoors".

As conferências começaram de fato ontem pela manhã, repetindo o forte esquema de segurança da véspera, que teve 18 viaturas, 37 motos, 132 policiais militares, 1 pelotão de policiamento montado e 1 equipe tática exclusiva para o prefeito de Nova York.

Nos discursos de abertura, Kassab convocou o colega americano ao palco com o pronome possessivo preferido dos políticos: "Vamos chamar o nosso prefeito Bloomberg". Ele retribuiu dizendo que se sentia em casa, já que o evento foi em um hotel no Brooklin.

O ex-presidente americano Bill Clinton chegou mais de uma hora e meia atrasado porque o Aeroporto de Cumbica ficou fechado pela manhã. Clinton passou duas horas e meia em São Paulo e seguiu para Buenos Aires.

As conferências com os demais prefeitos continuam hoje e as visitas técnicas acontecem amanhã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.