Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

‘Bico calado, que aqui você está mexendo com peixe grande’

Peça-chave no escândalo da Lava Jato da PM, comerciante afirmou à Justiça Militar que o tenente-coronel o ameaçou de morte

Marcelo Godoy e Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2017 | 03h00

SÃO PAULO - Peça-chave no escândalo da Lava Jato da PM, o comerciante Márcio Luiz dos Santos afirmou ao depor na Justiça Militar que o tenente-coronel José Afonso Adriano Filho o ameaçou de morte: “Bico calado, que aqui você está mexendo com peixe grande”. Santos entendeu que a ameaça era “agravada pelo fato de lidar com policiais”. O comerciante havia vendido para o coronel uma empresa - a Contruworld - usada no esquema de fraudes.

+++ ‘Lava Jato da PM’ apura uso de senha da Segurança em fraudes de R$ 200 mi

Santos contou que estava quebrado quando o coronel lhe fez a proposta de comprar a empresa. “Não tenho crédito em lugar nenhum. Meu carro é um Logan 2008.” A empresa foi vendida por R$ 5 mil, mas não foi passada para o nome de Adriano. “Ele (o coronel) sabia que eu estava falido. Foi tudo verbal.”

De acordo com Santos, o coronel passou a usar então a Construworld. “Eu ficava com os talões (de cheques). Tudo assinado.” Por causa da ameaça a Santos, Adriano teve a prisão preventiva decretada pela Justiça Militar. O advogado do tenente-coronel, Luiz Antonio Nunes Filho, nega que seu cliente ameaçado as testemunhas. 

A Construworld fechou 207 contratos para obra na PM. Eles foram considerados irregulares pelo Ministério Público Estadual, que denunciou Adriano e o capitão Dilermando César Silva. O capitão nega ter ficado com recursos do esquema. Ao depor, disse ter assinado documentos sem ler.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.