Bicicleta fica 2 minutos atrás de helicóptero

Na 7ª edição de desafio de meios de transporte, percurso de 10 km entre a zona sul e o centro foi feito pelo ar em 22 minutos; carro demorou 1h41

BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2012 | 10h11

Com um tempo de 22 minutos e 22 segundos, o helicóptero se mostrou o meio de transporte mais rápido da cidade de São Paulo. O teste ocorreu ontem, na 7.ª edição do Desafio Intermodal, evento que se propõe a discutir as alternativas de transportes da cidade. O carro fez o mesmo percurso em 1h41.

A vantagem do helicóptero foi de apenas dois minutos em relação à bicicleta, meio de transporte que ficou em segundo lugar.

Neste ano o desafio teve apoio da Rádio Estadão/ESPN. Como nos anos anteriores, o desafio teve largada na Praça Gentil Falcão, na Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, na zona sul, e chegada na sede da Prefeitura, no Viaduto do Chá, região central. Neste ano, 14 modalidades competiram.

O competidor do helicóptero foi o âncora Marcos Lauro, da Rádio Eldorado, do Grupo Estado. Logo depois de cruzar a chegada, ele disse que esperava não conseguir realizar o voo, com receio de não haver teto para a decolagem. "Foi tudo tranquilo. Tinha expectativa de não voar, mas chegamos aqui, contando elevador, escada rolante e autorização para voo, em 22 minutos."

Além de helicóptero e bicicleta, teve competidor que cruzou o percurso de carro, de ônibus, de handbike (uma bicicleta pedalada com as mãos) e combinações de transporte público, como ônibus e metrô, ônibus e trem, e até bicicleta dobrável e ônibus.

Em um dia como ontem, em que a cidade registrou, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), 175 km de congestionamento, até os patins se mostraram alternativa mais rápida do que o transporte público. O competidor com patins fez o percurso em 31 minutos e 4 segundos, enquanto quem usou trem e ônibus demorou 1h06.

O quarto colocado só andou sobre trilhos. O competidor Rodrigo Vicente, que usou trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e metrô, chegou apenas 4 segundos atrás dos patins. "O difícil foi a lotação. Tive dificuldade para entrar nos trens e em todos os momentos me senti esmagado."

Carro. A saída da Berrini ocorreu pontualmente às 18 horas. O último competidor chegou às 19h42. Ele estava a pé. O jornalista Flávio Gomes, da Estadão/ESPN, de carro, só conseguiu ultrapassar o rapaz que caminhava. Ele chegou às 19h41 e perdeu até para quem correu, que chegou às 19h07. "É um trânsito pesado e você não tem como fugir de certos corredores, como 9 de Julho e Faria Lima. Fora isso, perdi 20 minutos só para fazer o contorno da 9 de julho para a Prefeitura", disse Gomes. O competidor da moto ficou em terceiro, com 26 minutos e 20 segundos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.