Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Bibliotecas de Metrô e CPTM serão desativadas

Motivo para encerrar projeto é a falta de patrocínio; empréstimos foram encerrados ontem em Santa Cecília, Tatuapé, Brás e Terminal Sacomã

Monique Abrantes, do Jornal da Tarde,

17 Outubro 2012 | 03h04

Alternativas à falta de tempo e à dificuldade que paulistanos têm para encontrar espaços para empréstimo de livros, as bibliotecas do Embarque na Leitura, instaladas em estações de metrô e trem, fecharão até o fim deste mês. A informação foi confirmada pelos funcionários do Instituto Brasil Leitor (IBL), idealizador do projeto. O motivo do encerramento, de acordo com o instituto, é a falta de patrocínio há mais de dois anos.

A única que continuará aberta ao público será a da Estação Paraíso, da Linha 1-Azul e 2-Verde do Metrô, que ainda é patrocinada por uma siderúrgica suíça e tem o maior número de usuários inscritos, mais de 20 mil. As demais, das Estações Santa Cecília e Tatuapé, da Linha 3-Vermelha, da Estação Brás, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), e do Terminal Sacomã, intitulada de Leitura no Ponto, fecharão o balcão de atendimento ao público no dia 31. Os empréstimos foram encerrados anteontem e as unidades passaram apenas a receber os exemplares cedidos anteriormente.

A professora Bianca Luna, de 32 anos, ficou decepcionada com a notícia. "É uma vergonha isso acontecer. Ninguém colabora com a cultura", desabafou a frequentadora da biblioteca da Estação Santa Cecília.

Leitora de obras espíritas, a operadora de caixa Fernanda Belini, de 33 anos, frequenta a unidade da Estação Tatuapé há seis meses. "Vim aqui para renovar o empréstimo de um livro que consegui ler só até a metade, mas infelizmente não vai dar."

A bancária Elizabeth Melo, de 31 anos, que frequenta o projeto desde o início, em 2004, lembra que já precisou de livros específicos para estudos e os encontrou nas bibliotecas. "É lamentável saber que não poderei contar mais com esse incentivo."

Encerramento. Segundo uma funcionária que não quis se identificar, todos os atendentes serão demitidos até o fim do mês e os livros voltarão para o acervo do Instituto Brasil Leitor. "É uma pena que isso esteja acontecendo." A informação não foi confirmada pela entidade.

O IBL reconheceu que a situação chamou a atenção de possíveis patrocinadores, que poderão viabilizar as bibliotecas novamente. Mas informou que poderia dar mais detalhes.

O Metrô afirma que apoia o projeto com a concessão do espaço para a instalação das bibliotecas e está disposto a manter parcerias com o IBL. A Assessoria de Imprensa da CPTM, que desconhecia o fechamento da biblioteca no Brás, limitou-se a dizer que "fez a cessão de espaço e o IBL administra a unidade".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.