Biblioteca foi projetada por francês

Segunda maior biblioteca pública do País (atrás da Biblioteca Nacional, no Rio), a Mário de Andrade ocupa um prédio considerado um marco da art déco em São Paulo. O edifício, projetado pelo arquiteto francês radicado no Brasil Jacques Pilon, foi aberto ao público em 1942.

O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2013 | 02h01

Pilon nasceu em Le Havre, na França, em 1905. Aos 5 anos, viajou com a família para o Rio, onde o pai trabalharia em atividades ligadas ao porto. Ainda jovem, formou-se em arquitetura em Paris e só voltou ao Brasil em 1932. Entre as décadas de 1930 e 1960, o francês se envolveu em dezenas de projetos de prédios na capital paulista, principalmente no centro. Embora fosse influenciado pelas correntes de art déco, Pilon é considerado responsável pela disseminação dos princípios do modernismo na arquitetura brasileira.

Antes de receber o acervo da biblioteca, que existia desde 1925 na Rua 7 de Abril, o prédio ainda passou por modificações propostas pelo então prefeito Prestes Maia.

Além da Biblioteca Mário de Andrade, o francês projetou outro prédio ligado aos modernistas. Em 1935, ele desenhou o Edifício Santo André, na esquina da Avenida Higienópolis com a Rua Piauí, onde morou Tarsila do Amaral. Outro marco deixado por Pilon em São Paulo é o Edifício Pauliceia, na Avenida Paulista, de 1959. O arquiteto morreu em 1962. / TIAGO DANTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.