Bertioga diz que tinha proibido acesso ao píer que desabou

Prefeitura alega que as placas foram retiradas por populares e o local não foi interditado novamente

Rejane Lima, Agência Estado

30 de junho de 2008 | 19h48

A Prefeitura de Bertioga divulgou nesta segunda-feira, 30, que havia colocado pelo menos quatro placas indicativas proibindo o acesso ao píer que desabou na tarde do último domingo, 29, deixando feridas 50 pessoas que assistiam a procissão marítima em homenagem a São Pedro Pescador. No entanto, a Prefeitura alega que as placas foram retiradas por populares e o local não foi interditado novamente. O argumento é que era freqüentado por poucos pescadores e no dia da festa estava super lotado e por isso desabou. Dois dias antes do acidente, a prefeitura assinou convênio com o Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias (Dade) para receber verbas solicitadas em 2005: dos R$ 3,8 milhões dos recursos que serão passados pelo governo estadual nos próximos dias, R$ 800 mil são para as obras no píer, que segundo a prefeitura já tem licitação e projeto executivos prontos.

Tudo o que sabemos sobre:
bertiogaacidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.