Bem vestida, ré não demonstrou nenhuma emoção

Confiante e impecavelmente produzida, Carla Cepollina permaneceu de cabeça erguida, sentada de frente para os jurados, sem demonstrar nenhuma emoção. Vestindo um terno preto, usava salto alto e tinha o cabelo, agora loiro, perfeitamente arrumado. Procurou não olhar muito para a mãe nem falar com ela.

O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2012 | 02h06

O assistente de defesa, Eugenio Malavasi, ficou entre as duas. Na plateia, a irmã da ré, a também advogada Paula Cepollina, assumiu a mesma postura. Discreta, acompanhou os depoimentos sem fazer comentários ou lamentações. Aos repórteres, quis passar a mesma confiança. "Minha irmã não pode ser condenada. Não há provas", afirmou.

A decisão de família de unir mãe e filha no júri foi tratada com naturalidade pelos familiares. "Não há conflito. Defendi a Carla no processo de primeira instância e ela foi impronunciada. Depois, saí e aconteceu o júri." /A.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.