Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Beltrame: certeza de que ataques continuarão

Para secretário, eles são a ferramenta que os bandidos têm, mas não se pode recuar

Talita Figueiredo / RIO, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2010 | 00h00

A polícia trabalha com a certeza de que os ataques a veículos vão continuar porque é "a ferramenta que os bandidos têm", mas isso não vai mudar a estratégia de enfrentamento. A declaração foi feita pelo secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, em entrevista à tarde.

Ainda de acordo com Beltrame, a ocupação da Vila Cruzeiro e a perda do território dos bandidos representam um "passo importante" para a polícia do Rio. Segundo o secretário, é lá que estão os homens que recebem as ordens de criminosos de presídios e as repassam para outras favelas. Para ele, se os bandidos não perdem o domínio do território, a polícia não consegue avançar. Mas, se perdem, ficam expostos e é mais fácil prendê-los. Beltrame se referia à fuga de criminosos da Vila Cruzeiro para o vizinho Complexo do Alemão, transmitida ao vivo pelas TVs.

"Se tirou dessas pessoas o que nunca foi tirado: seu território. Eles faziam suas barbaridades na cidade e corriam covardemente para seu reduto protegido por armas de guerra. É importante apreender drogas e prender essas pessoas. Mas é mais importante tirar o território delas."  

 

 

Veja também:

linkBeltrame agradece Marinha e diz que operações no Rio vão continuar

linkPM prende ao menos 11; dezenas de veículos são incendiados

linkOperação da Polícia Civil deixa 7 mortos na Favela do Jacarezinho

linkMais de 40 escolas e creches suspendem aulas

linkDilma liga para Cabral para prestar solidariedade ao Rio

especialEduardo Paes: 'não podemos é esmorecer'

blog Patrícia Villalba: O medo está no rosto do carioca

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

video A rotina noturna com ataques no Rio

forum Presenciou algum ataque? Conte-nos como foi

O secretário disse ainda que a ocupação da Vila Cruzeiro só foi possível com a cessão de blindados da Marinha, usados para fazer o transporte das tropas da Polícia Militar com segurança até o alto da favela. Ele voltou a negar a intenção de implantar imediatamente uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no complexo de favelas, porque o trabalho na Vila Cruzeiro é lento, vai demandar um "esforço muito grande" e deve ser bem arquitetado. "Uma resposta bem arquitetada pode demorar, mas ela é sólida."

O comandante da Polícia Militar do Rio, coronel Mário Sérgio Duarte, disse que a PM irá atrás dos criminosos que fugiram e não conseguiu prender os bandidos na hora da fuga porque o local é de difícil acesso, entre duas encostas de morros. A ocupação na Vila Cruzeiro não tem data para acabar.

Beltrame e Duarte agradeceram ontem o apoio da população, que foi receptiva aos policiais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.