Bela Vista às escuras

TRANSFORMADORES ESTOURARAM

O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2013 | 02h03

Na semana de 13 a 19/1 moradores das Ruas Artur Prado e Cunha Bueno, na Bela Vista, enfrentaram estouros de transformadores e, consequentemente, falta de energia elétrica. Além disso, uma árvore de grande porte caiu sobre um carro e alcançou a calçada de um condomínio, quebrando uma pequena árvore (não substituída) e danificando parte da cerca elétrica do referido condomínio. No mesmo quarteirão (n.º 376 da Artur Prado) moradores e transeuntes convivem há anos com o apodrecimento de uma antiga casa, que, com a falta de manutenção da rede elétrica, pode ser o estopim de um incêndio.

DIVA LUISA DE LUCA / SÃO PAULO

A AES Eletropaulo esclarece que, em 15/1, o desligamento ocorreu por causa de um curto-circuito ocasionado pela queda de uma árvore de grande porte sobre a rede elétrica. Imediatamente, eletricistas foram ao local isolar a área e realizar reparos. Em 18/1 houve falha em um dos equipamento da rede. Equipes trabalharam no local e o cliente teve o fornecimento restabelecido na noite do mesmo dia.

A Subprefeitura Sé informa que o proprietário do local citado foi multado e intimado a refazer o passeio. Quanto ao replantio da árvore na Rua Cunha Bueno, o serviço foi feito em 25/1, com o plantio de um ipê.

A leitora comenta: Os estouros dos transformadores ocorreram sem a interferência da queda da árvore; precisamos de manutenção! Quanto à resposta da subprefeitura: a pequena árvore da esquina da Cunha Bueno não foi reposta e, com relação ao n.º 376 da Rua Artur Prado, a resposta é antiga e conhecida. Isso significa que continuaremos desprotegidos.

AES ELETROPAULO

Resposta-padrão

Sou morador do bairro Fazendinha em Carapicuíba e desejo que a AES Eletropaulo informe o motivo de sua incompetência no fornecimento de energia elétrica e de sua falta de respeito com os moradores da região. Neste verão, a falta de energia é infalível. Desde o início de dezembro falta energia quase diariamente e, na semana iniciada em 13/1, quando comecei a anotar, a queda ocorreu todos os dias, mesmo com o céu aberto. Pergunto: é serviço de manutenção? Então deveríamos ser previamente avisados. Ou é prestação precária de serviços? Quem paga pelos prejuízos decorrentes de tal fato aos moradores e comerciantes da região? Recorro à Coluna porque qualquer tentativa de contato direto com a malfadada empresa é infrutífera. A única coisa líquida e certa que recebemos da Eletropaulo é a cobrança mensal de seus péssimos serviços.

CRISTIANO MASCARO

/ CARAPICUÍBA

A AES Eletropaulo informa que a região citada se caracteriza por densa arborização e a queda de árvores é a principal causa dos desligamentos de energia. Este ano, estima executar mais de mil podas e diz que já iniciou plano de modernização da rede no local; entretanto, durante o andamento das obras, haverá necessidade de desligamentos programados.

O leitor reclama: A resposta é idêntica à dada há poucos dias a outro leitor morador da Granja Viana. É uma resposta-padrão, assim como aquela que ouvimos ao telefone. Quando me mudei para cá, há mais de 30 anos, a região era muito mais arborizada e o fornecimento de energia era muitíssimo mais estável. E, se há plano de modernização da rede, o mínimo que a empresa tem obrigação de fazer é informar o consumidor a data e o período de tais desligamentos. Para que serve, nestes casos, a Aneel? Estou cansado de ter meu trabalho interrompido pelos cortes diários de energia, de pedir desculpas a clientes quando estamos reunidos, sem falar nas perdas de produtos armazenados na geladeira e no freezer.

TAM FIDELIDADE

Milhas não creditadas

Estou com problema sério para pontuar minhas milhas na TAM e precisei solicitar à LAN um documento que provasse que eu havia feito a viagem. O problema é que liguei três vezes para a LAN, mas o atendente não registrou meus pedidos e ainda perdeu os cinco e-mails que eu enviei com os meus dados! Diante disso, não tive resposta da LAN e, consequentemente, da TAM. O funcionário não cumpre sua função e o consumidor segue sendo desrespeitado.

MÔNICA MACHADO / SÃO PAULO

A TAM diz que entrou em contato com a leitora e soube que a pontuação já estava regularizada.

A leitora explica: O problema foi solucionado por mim. A TAM teve uma atitude ridícula e antiprofissional, pois é fácil se esquivar do problema e pedir desculpas não fazendo nada para solucioná-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.