Taba Benedicto/Estadão
Taba Benedicto/Estadão

Beco do Batman amanhece de luto após artista ser morto; policial foi detido

NegoVila Madalena, de 40 anos, foi atingido por dois disparos após apartar briga na zona oeste de São Paulo; autor do disparos é PM que apresentava sinais de embriaguez

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2020 | 15h00

Os muros do Beco do Batman amanheceram pintados de preto em luto pela morte do artista NegoVila Madalena, de 40 anos, na manhã desta segunda-feira, 30, na zona oeste da cidade de São Paulo. Ele foi baleado na madrugada de sábado, 28, após apartar uma briga. O autor dos disparos é um policial militar, que foi detido.

A intervenção ocorreu na noite de domingo, 29, após o velório de NegoVila. “Avisamos os artistas que tinham obras expostas no Beco, e a maioria aceitou a causa”, explica o grafiteiro Canhoto 011. O local é um dos principais pontos turísticos da cidade, por reunir murais coloridos com temáticas diversas.

“Foi um jeito de mostrar a realidade, é um apelo, um grito de ‘até quando’?”, lamenta, referindo-se ao racismo estrutural e aos casos de assassinatos de pessoas negras, que representam 75% das vítimas de homicídio no País. “Era um cara do bem, que fazia a diferença.”

Batizado Wellington Copido Benfati, o artista era muralista, artista plástico e cenógrafo. Era ligado a projetos culturais, esportivos e sociais, voltados ao skate, às artes e à gastronomia, especialmente na região da Vila Madalena. Ele deixou uma filha de 9 anos.

Segundo o boletim de ocorrência, NegoVila foi atingido por dois disparos ao tentar separar uma briga entre um amigo e um PM em frente a uma distribuidora de bebidas em Pinheiros, também na zona oeste. O suspeito apresentava sinais de embriaguez.

Na intervenção, sobre a tinta preta, foram escritos pedidos de Justiça e frases como o “Nego vive”, “Todo nego é nego vila”, "Vida Madalena em luto", "Mais um pai de família é eliminado pelo sistema, até quando?" e “Vidas pretas importam”.

A intervenção deve seguir pelos próximos dias, ainda sem prazo definido. Os cerca de 23 grafiteiros participantes planejam a realização de mais um protesto no sábado, com novas inscrições pintadas sobre os muros pretos. Segundo Canhoto 011, decidiu-se não cobrir um dos painéis do Beco por ter sido feito por um artista falecido. 

Na noite de domingo, também foram realizadas projeções de fotografias de NegoVila na empena cega de um edifício. A intervenção também trazia a frase "Todo nego é nego, é nego vila".

Procurada sobre o caso, a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) enviou a seguinte nota: "Um policial militar, de 34 anos, foi preso em flagrante no sábado (28), após cometer um homicídio contra um artista plástico, de 40 anos, em um bar na região de Pinheiros. O caso foi registrado pelo 14º DP (Pinheiros), que apura os fatos, assim como a Polícia Militar, que instaurou um IPM. O detido foi encaminhado ao presídio militar Romão Gomes". O nome do PM não foi divulgado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.