Bebê sequestrado após desocupação pode estar em delegacia

Mãe que teve a criança sequestrada deve fazer o reconhecimento na tarde desta sexta na zona sul de SP

Fabiana Marchezi, Central de Notícias,

28 de agosto de 2009 | 12h56

Um bebê de um mês foi deixado em uma delegacia da capital paulista na quinta-feira, 27. A polícia acredita que a criança seja a filha de Josiele do Espírito Santo da Cruz, de 26 anos, que teve a recém-nascida Amanda sequestrada por uma desconhecida no início da noite de quarta-feira, 26.

 

A mãe da menina fará nesta sexta-feira, 28, o reconhecimento da criança, que foi deixada por uma parente da suposta sequestradora no 99º Distrito Policial, no Campo Grande, também na zona sul. A menina, que passou a noite em um abrigo, deve ser levada até o casal que teve a filha sequestrada nesta tarde.

 

O casal deve reconhecer a menina no 47º Distrito Policial, que está investigando o caso. A Secretaria de Segurança Pública do Estado, não soube informar se a mulher que deixou a bebê na delegacia foi detida para averiguação.

 

Mãe de quatro filhos, Josiele está entre as 570 famílias despejadas da Favela Olga Benário na segunda-feira. "Meu bebê tinha aparecido na TV para convencer o governador da nossa situação precária."

Há poucas informações sobre a criminosa. Ela tem cerca de 1,60m, cabelo preto, entre 25 e 30 anos, é branca e, segundo Josiele e outras pessoas que a viram, tinha boa aparência, era articulada e se apresentou com o nome de "Meretriz". A mulher chegou a uma unidade da Igreja Adventista do Sétimo Dia, no Capão Redondo, que acolheu algumas famílias despejadas, dizendo-se voluntária. Pelos relatos, procurou diretamente o bebê. "Ela perguntou de quem era o bebê que tinha aparecido na televisão. Foi aí que ela se aproximou de mim", relata a mãe da criança que, na primeira distração, teve a filha roubada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.