VALERIA GONCALVEZ/ESTADAO
VALERIA GONCALVEZ/ESTADAO

Bebê morre após trabalho de parto no Largo do Paiçandu

Jackeline Silva Moraes, de 24 anos, segue internada na Santa Casa, mas apresenta quadro médico estável; moradores reclamam que o Corpo de Bombeiros demorou mais de 20 minutos para chegar ao local

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

07 Junho 2018 | 16h51

SÃO PAULO - Uma jovem de 24 anos, grávida de sete meses, entrou em trabalho de parto na tarde de quarta-feira, 6, em um barraco montado no Largo do Paiçandu, no centro da cidade, onde ocorreu o desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, na madrugada de 1º de maio. O bebê nasceu dentro da viatura do Corpo de Bombeiros, mas chegou sem vida à Santa Casa de Misericórdia, onde Jackeline Silva Moraes segue internada.

+++ Um mês após tragédia, acampamento no Paiçandu continua sem previsão de fim

Na noite de terça-feira, 5, a moradora já começou a sentir dores. "Ela estava com muita dor. O marido queria levar a Jackeline ao hospital, mas ela não quis ir. Foram dormir. Na quarta-feira, ela ainda estava sentindo dores. À tarde, a bolsa estourou. Chamamos os policiais que estavam na região  para ajudar e ligamos para o Corpo de Bombeiros. Eles demoraram mais de 20 minutos para chegar. Deu para ver que os pés do bebê saíram primeiro, por isso não resistiu e morreu dentro da ambulância", lamentou Ana Paula, que também está no acampamento improvisado.

+++ Prefeitura libera dois dos cinco imóveis que estão interditados no Largo do Paiçandu

Por volta das 18h10 de quarta-feira, o Corpo de Bombeiros foi acionado pelos moradores. De acordo com a corporação, o parto já havia começado no momento em que a equipe chegou ao local. A gestante deu à luz dentro da viatura, mas o recém-nascido estava em parada cardíaca. Apesar de esforços de ressuscitação, o bebê não resistiu e faleceu a caminho do hospital. A criança se chamaria Rafaela Vitória.

Em nota, a Santa Casa informa que a paciente Jackeline permanece internada no Departamento de Ginecologia e Obstetrícia. Ela apresenta quadro médico estável e em programação de alta.

+++ Após 13 dias, Bombeiros encerram buscas em prédio que desabou e são homenageados

A Polícia Militar esclarece que no início da noite desta terça-feira foi acionada para atendimento emergencial a uma gestante que já estava em trabalho de parto, na região central da capital. 

De acordo com informações preliminares, a primeira equipe a chegar constatou que o bebê se encontrava em uma posição "sentada", caracterizando o chamado "parto pélvico". 

+++ Polícia identifica segunda vítima de desabamento de prédio em SP

"Verificando tal situação, houve o acionamento de equipe do Corpo de Bombeiros que, ante a situação deu o suporte necessário, fazendo o deslocamento da mãe e bebê à Santa Casa de Misericórdia. O bebê, infelizmente, faleceu", destacou a nota.

O Corpo de Bombeiros ainda não se pronunciou sobre o caso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.