Bebê de 2 meses é encontrado morto; principal suspeito, pai está desaparecido

Alan Duenho teve a prisão temporária decretada; morte ocorreu enquanto mãe recebia atendimento médico em um hospital

Sara Abdo, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2017 | 20h53

Um bebê de dois meses foi encontrado morto pela avó após ter ficado sob os cuidados do pai na madrugada de quarta-feira, 21, em Campo Limpo, na zona oeste de São Paulo. Alan Duenho, principal suspeito pelo crime, está desaparecido e teve a prisão temporária decretada. 

O caso ocorreu após Laís Silva, mãe de Catarina, passar mal e ser levada para o hospital junto dos pais dela, do marido e da filha. Enquanto Laís passava por uma consulta, Duenho ficou responsável pela menina. Quando voltaram para casa sem Laís, que precisou ficar no hospital, Duenho saiu e não voltou. A avó foi ver como Catarina estava e já a encontrou sem vida.

 

O corpo de Catarina foi encontrado com sinais de agressão. A menina teve uma lesão na cabeça, mas a equipe de investigação ainda não sabe se houve traumatismo craniano. Embora já tenha concluído a perícia, o Instituto Médico Legal (IML) ainda não enviou o laudo necroscópico, que é esperado para esta sexta-feira, 23.

Duenho e Laís não moravam na mesma casa. Ela morava com os pais e a filha e ele, com seus pais. No dia da morte, o casal estava na casa dos pais de Laís.

Até agora depuseram apenas os avós paternos da vítima. “Eles não relataram nenhuma briga séria no dia ou às vésperas do conflito, mas afirmaram que o casal tinha algumas discussões causadas por ciúme”, afirmou Olívio Lira, delgado responsável pelo caso. 

O último contato que eles tiveram com o filho foi na segunda-feira, 20, às 16 horas. Os pais negam que Duenho tenha distúrbios psicológicos. Os depoimentos de Laís e seus pais devem acontecer nesta sexta-feira.

A investigação está sendo conduzida pelo 37ª DP (Campo Limpo). Até agora, nenhum advogado de defesa de Duenho se manifestou. 

Tudo o que sabemos sobre:
Campo Limpo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.