Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Bebê beijado pelo papa é celebridade

Família, do interior mineiro, quase não foi ao Rio

Tiago Rogero, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2013 | 02h06

A vida de Miguel Coelho anda corrida desde que recebeu um beijo do papa Francisco, anteontem, no cortejo no centro do Rio. Menos assustado do que no dia anterior, quando foi carregado e fotografado por dezenas de fiéis, ontem o bebê de sete meses era só sorrisos. Passou a manhã "dando entrevistas".

Por pouco Miguel não foi ao Rio. "Todo mundo falava que era uma loucura vir, gente demais na cidade, ainda mais com um bebê pequeno", disse o pai, Rodrigo, de 38 anos completados ontem. Ele, Miguel, a mulher, Juliana, e os outros dois filhos, Júlia e Lucas (de dez e sete anos, respectivamente), moram em uma fazenda no distrito de São Sebastião do Pontal em Carneirinhos, cidade do Triângulo Mineiro com dez mil habitantes.

O padre do distrito, Lucimar de Paula, o Cici, de 45 anos, convenceu o casal a viajar os 1,2 mil km até o Rio com um grupo de 40 pessoas. Foram 11 horas de viagem. "Ontem (na segunda), o mais difícil foi ir embora", disse o padre, referindo-se aos fiéis que no dia anterior queriam pelo menos tocar o bebê que havia sido beijado pelo papa.

Mais conteúdo sobre:
papa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.