Bebê achado no lixo em Taboão da Serra segue na UTI

Porteiro encontrou menina; ela não corre risco de morte, mas deve ficar na UTI para ganhar peso

Fernanda Aranda, Jornal da Tarde

03 de outubro de 2007 | 10h49

A recém-nascida encontrada em uma lata de lixo, no estacionamento da Maternidade Municipal de Taboão da Serra, na Grande São Paulo, foi levada à Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) da maternidade. A recém-nascida pesa pouco mais de 1 quilo e foi encontrada ainda envolta na placenta. Apesar de não correr risco de morte, a menina deve ficar na terapia intensiva por, pelo menos, mais 15 dias até ganhar força e mais peso. A criança foi encontrada pelo porteiro da maternidade, Benjamin Ferreira de Jesus, de 71 anos. Ele não vai adotar a criança abandonada, mas ela já ganhou seu sobrenome. Nos corredores da maternidade a menina é chamada de Ângela. Ângela de Jesus. "Já tenho cinco filhos e a caçula acabou de completar 1 ano. Se não tivesse tantas bocas para dar de comer, juro que levava essa menina para casa." A prefeitura de Taboão da Serra registrou boletim de ocorrência na delegacia da cidade. Mas por enquanto, não há pistas sobre a mãe. "Precisamos de informações, denúncias. Caso contrário, é como procurar uma agulha em um palheiro", disse o delegado titular, Leonardo Piglionico. "As primeiras investigações dão indícios de que quem abandonou gostaria que o bebê fosse encontrado o mais rápido possível, já que foi deixado na porta do hospital", afirmou o delegado. Ângela não é a única. Segundo a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, em média, duas crianças são abandonadas todos os dias, apenas na Capital. No caso da recém-nascida de Taboão, quem tiver qualquer informação sobre a mãe ou algum familiar, pode ligar para (11) 4701-1205.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.