Batidas de madrugada nas laterais de carros matam mais

O mais completo relatório já feito na cidade sobre acidentes de trânsito foi divulgado no começo do mês pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e mostra o perfil dos acidentes fatais de moto na cidade. São batidas nas laterais de carros, ocorridas nas madrugadas de sexta e sábado. Os acidentes são causados por motos de até cinco anos.

O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2012 | 02h02

O estudo analisou 1.000 perícias de acidentes fatais da cidade entre 2009 e 2010. O relatório ficou pronto neste ano. Um quarto das mortes investigadas era de motoqueiros.

Um terço das colisões analisadas envolveu motos que bateram nas laterais de carros e 76% delas ocorreram longe dos cruzamentos, no meio da via. É um sinal, segundo o relatório, de que "uma das causas (das mortes) é o hábito de trafegar entre os veículos. Nos cruzamentos, onde ocorreram 25% dos acidentes com vítimas, observa-se que, em decorrência de inúmeros movimentos conflitantes, a maioria aconteceu quando houve o desrespeito à sinalização".

O levantamento mostra ainda que, considerando todos os tipos de veículos, 75% dos acidentes com vítimas na cidade ocorrem no meio da quadra, caracterizando esse trecho "como o mais perigoso da via, e não o cruzamento". A mesma situação é verificada com atropelamentos com mortes. Segundo escreveu o autor do relatório, Mauricio Regio, no meio do quarteirão o motorista "não espera que um pedestre apareça e atravesse na sua frente, a não ser que tenho um semáforo".

Além disso, nos cruzamentos, a travessia geralmente é esperada e regulamentada por meio de sinalização horizontal.

Os carros são os líderes das colisões fatais em São Paulo, respondendo por 36% dos acidentes com mortes. As motos vêm em seguida, com 31%, e os ônibus logo depois, com 18%. Os caminhões, 11%. / B.R, e CAIO DO VALLE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.